Aprovado projeto lei que institui conteúdo local até 2040, multa pode chegar a 100%

Conteúdo local tem projeto de lei aprovado

Comissão de Minas e Energia da câmara de deputados aprova relatório do deputado Altineu Côrtes que institui índices fixos de conteúdo local para os leilões de petróleo da ANP

O relatório do deputado Altineu Côrtes (PP/RJ) favorável ao PL 7401/2017, que determina índices de conteúdo local para leilões de áreas exploratórias para petróleo e gás natural no país, foi aprovado pela Comissão de Minas e Energia da Câmara dos Deputados, nesta quarta-feira (28/08). Articulações continuam acontecendo e na luta pela construção naval nacional, Sinaval se reúne com representantes do governo.
O documento prevê ainda que permaneça o item que diz que tais índices não serão adotados como critério de julgamento das ofertas nas licitações da ANP.

O projeto de lei estabelece critérios diferentes para leilões nos regimes de concessão e partilha da produção e prevê que seja sempre dada preferência à contratação de fornecedores brasileiros, quando as condições de preço, prazo e qualidade forem mais favoráveis ou equivalentes às de fornecedores não brasileiros.

O relatório de Côrtes prevê os seguintes índices de conteúdo local para blocos exploratórios em regime de partilha da produção:

I – Fase de exploração: Conteúdo global de, no mínimo, 20% (vinte por cento);

II – Etapa de desenvolvimento da produção ou para cada módulo de desenvolvimento, no caso de desenvolvimento modular:

a) Construção de poço: conteúdo mínimo de 30%, sendo no mínimo 25% de bens e 5% de serviços;
b) Sistema de coleta e escoamento de produção: conteúdo mínimo de 40%, sendo no mínimo 30% de bens e 10% de serviços;
c) Unidade estacionária de produção: conteúdo mínimo de 30%, sendo no mínimo 25% de bens e 5% de serviços

O projeto também determina índices de conteúdo local para leilões de áreas sob o regime de concessão:

I – Para blocos situados em terra, os percentuais mínimos de conteúdo local serão os seguintes:

a) Fase de exploração: Conteúdo global de, no mínimo, 50% (cinquenta por cento);
b) Etapa de desenvolvimento da produção: Conteúdo global de, no mínimo, 50%, sendo 25% para bens e 25% para serviços;

II – Para blocos situados no mar, os percentuais mínimos de conteúdo local serão os seguintes:

a) Fase de exploração: Conteúdo global de, no mínimo, 18% (dezoito por cento);
b) Etapa de desenvolvimento da produção:

1. Construção de poço: conteúdo mínimo de 30%, sendo no mínimo 25% de bens e 5% de serviço
2. Sistema de coleta e escoamento de produção: Conteúdo mínimo de 40%, sendo no mínimo 30% de bens e 10% de serviços.
3. Unidade estacionária de produção: Conteúdo mínimo de 30%, sendo no mínimo 25% de bens e 5% de serviços;

O projeto de lei não permite a compensação do índice de conteúdo de bens com o índice de conteúdo local de serviços e vice-versa, e nem dentro das fases e etapas.

Caso as petroleiras não consigam comprovar a execução de conteúdo local no mínimo de 65%, a mesma pagará uma de 60% sobre o valor do conteúdo local não-realizado e se a não observância do conteúdo local for acima ou igual a este percentual, a multa será crescente, a partir de 60% e indo até 100% do valor do conteúdo local.

O PL ainda terá que passar pela aprovação da Comissão de Finanças e Tributação (CFT) e da Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania (CCJC).

Leia também ! Aeroportos de Macaé e Vitória começam a receber currículos, neste dia 28/08 !

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião do Click Petróleo e Gás.
Renato Oliveira

Sobre Renato Oliveira

Engenheiro de Produção com pós-graduação em Fabricação e montagem de tubulações com 30 anos de experiência em inspeção/fabricacão/montagem de tubulações/testes/Planejamento e PCP e comissionamento na construção naval/offshore (conversão de cascos FPSO's e módulos de topsides) nos maiores estaleiros nacionais e 2 anos em estaleiro japonês (Kawasaki)