MENU
Menu
Início A implementação de energia nuclear no Brasil pode garantir a soberania energética, diminuir a emissão dos gases de efeito estufa e gerar empregos no país, garantem especialistas

A implementação de energia nuclear no Brasil pode garantir a soberania energética, diminuir a emissão dos gases de efeito estufa e gerar empregos no país, garantem especialistas

9 de novembro de 2022 às 14:43
Compartilhe
Compartilhar no WhatsApp
Compartilhar no Facebook
Compartilhar no LinkedIn
Compartilhar no Telegram
Compartilhar no Twitter
Compartilhar no E-mail
Siga-nos no Google News
A Central de Concreto para a concretagem do projeto de obras já está finalizada e passará pela fase de testes. A Eletronuclear investe agora na aceleração da retomada de Angra 3 para garantir mais segurança energética na região do Rio de Janeiro.
Foto: MARCOS MICHAEL

Evento no Rio vai debater o potencial da energia nuclear para diminuir a poluição e incentivar o desenvolvimento da indústria

O ministro da Ciência, Tecnologia e Inovações, Paulo Alvim, participou da abertura do XIII Seminário Internacional de Energia Nuclear (SIEN), realizada nesta terça (08/11), na sede da Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro (Firjan), no Centro da capital fluminense. Nesta edição, o evento tem como tema “Tecnologia Nuclear – Amiga do Clima, do Homem e do Planeta”.

A energia nuclear é limpa e renovável ? Prof Henrique Goulart

O encontro reúne especialistas para debater a energia nuclear e seu potencial para alavancar o desenvolvimento da indústria brasileira e diminuir a emissão dos gases que causam o efeito estufa. O ministro ressaltou que a parceria público privada é a principal estratégia para incentivar o aumento da oferta. “Mais do que transição energética, estamos falando de soberania energética. E a energia nuclear tem papel fundamental nisso. É um projeto de Estado”, afirmou.

Artigos recomendados

O papel da energia nuclear na transição energética do Brasil

Realizado pela Casa Viva Eventos, o Seminário vai até sexta-feira (10/11) e tratará de temas como o papel da energia nuclear na transição energética do país e do mundo, sua contribuição para diminuir a emissão de CO2, os rigorosos padrões de segurança para a sua produção e as oportunidades de negócio e geração de empregos que o setor pode trazer para o país. Na mesa “Custo da energia nuclear x mudanças climáticas – por uma matriz mais colaborativa”, o engenheiro nuclear da Eletronuclear, Leonam Guimarães, criticou a visão da energia nuclear como commodity.

“Há um entendimento errado sobre o custo da energia nuclear. Há muitas variáveis para calcular o custo da energia. O custo não é a medida do valor do produto. O serviço prestado por uma usina eólica é diferente do oferecido por uma usina hidrelétrica. Não dá para comparar”, explicou, ponderando que um sistema de produção e distribuição de energia com baixa diversidade tem pouca confiabilidade.

O desafio enfrentado para reiniciar o projeto da usina de Angra 3 foi o assunto do debate “Angra 3 – o marco da retomada – modelo de contrato e novas oportunidades de negócio. O chefe da assessoria de Ciência, Tecnologia, Inovação e Expansão da Geração da Eletronuclear, Marcelo Gomes, contou que, em 2018, foi criado um grupo na empresa para avaliar o prosseguimento das obras.

O BNDES pode contribuir para viabilizar projetos de energia nucelar no Brasil

Também decidiram contratar o BNDES para assessorar na criação de um modelo que estivesse dentro de um arcabouço financeiro, jurídico e regulatório específico. “O grande problema era a alocação de riscos. A parceria com o BNDES foi fundamental para pôr essa mode lagem nos trilhos. Já tem gente no canteiro de obras virando cimento”, comemora.

Funcionário da Nuclep (empresa que fabrica equipamentos para as usinas nucleares de Angra) há 27 anos, o técnico industrial, formado em engenharia, Jairo Bastos, avalia que das 17 metas para o milênio, estabelecidas pela ONU, para melhorar a vida no planeta, 11 podem ser alcançadas com ajuda do desenvolvimento industrial sustentável. Mas para isso é preciso energia limpa.

Ele informou, em sua palestra, que de cada R$ 1 investido na construção de uma usina nuclear retornam R$ 2 para o governo federal. E essas empresas podem ser equipadas com máquinas e equipamentos brasileiros. “A opção seria importar, criando empregos no exterior e gastando em dólar. A questão nã o é quanto custa o domínio de uma tecnologia. É quanto vale esse domínio, que é de poucos países”, disse.

De acordo com o relatório Balanço Energético Nacional, da Empresa de Pesquisa Energética (EPE), em 2021, o Brasil usou 44,7% de energias renováveis, e 55,3% de não renováveis. A energia nuclear corresponde a 1,3% do total da matriz brasileira e chega a 5% no mundo.

O evento conta com participantes das principais empresas do setor nuclear, especialistas e autoridades, como ABDAN (Associação Brasileira para Desenvolvimento de Atividades Nucleares); o Vice Diretor Geral e Chefe do Departamento de Energia Nuclear da Agência Internacional de Energia Nuclear – AIEA, Mikhail Chudakov; os presidentes da ENBPar, Ney Zanella; da CNEN, Paulo Roberto Pertusi; da Eletronuclear, Eduardo de Souza Grivot Grand Court; da NUCLEP, Carlos Seixas; e da INB, Carlos Freire; e o Diretor Técnico da Amazul, Carlos Alberto Matias.

Fonte: Nelza Oliveira | Primeira Linha Comunicações 

Relacionados
Mais recentes
COMPARTILHAR