Vitória de Bolsonaro no segundo turno é celebrada pela Industria do petróleo e gás, diz executivo da S & P Global Platts

Bolsonaro industria do petróleo mercado petrolífero
 

Ele ainda complementa que se o PT retornasse ao poder, seria um retrocesso de tudo que foi feito nos últimos 4 anos até aqui e que o plano energético de Bolsonaro é o mais viável no momento

A indústria petrolífera do Brasil permaneceu cautelosamente otimista antes da segunda rodada de votação deste domingo(28) no ciclo eleitoral presidencial deste ano, com o ex-oficial militar Jair Bolsonaro ainda liderando as pesquisas, embora com uma pequena margem sobre o candidato do Partido dos Trabalhadores, Fernando Haddad. Bolsonaro ganhou a eleição com 56,70% dos votos, enquanto Haddad perdeu com 44,46%.

O fraco crescimento econômico do Brasil, o aumento do desemprego e a violência desenfreada dominaram a maior parte da temporada de campanha, com a política energética sendo considerada uma reflexão tardia em meio ao eleitorado do país. Os dois candidatos, no entanto, detinham visões tão diferentes para o desenvolvimento da riqueza petrolífera offshore do Brasil e dos mercados de produtos refinados para levantar preocupações sobre onde a política poderia ser conduzida.

“Bolsonaro representa o status quo atual e favorável, embora possa haver alguns soluços”, disse recentemente um executivo da indústria petrolífera à S & P Global Platts, observando às vezes comentários controversos que provocam comparações com o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump. “Mas um retorno do PT ao poder definitivamente representaria um passo atrás e provavelmente levaria a uma desaceleração na recuperação que vimos desde o ano passado.”

O plano energético de Bolsonaro cativou o mercado

Bolsonaro apresentou um plano de política para seu governo em potencial no início de outubro logo após a primeira rodada, indicando que ele apoiou um inquérito liderado pelo governo sobre a gestão da estatal, bem como uma revisão do regime de partilha de produção do país para os campos de pré-sal. O plano reforçou as expectativas Bolsonaro provavelmente continuaria com os esforços de reforma que atraíram investimentos de pesos-pesados ​​como BP, Equinor, ExxonMobil, Shell e Total.

O governo atual retornou a um cronograma fixo de rodadas de licitação sob contratos de concessão e compartilhamento de produção, abriu campos de pré-sal vendidos sob contratos de produção para operação de companhias petrolíferas internacionais em vez da Petrobras e reduziu as exigências para usar bens e serviços produzidos localmente na exploração e desenvolvimento. As reformas geraram concorrência acirrada em seis leilões realizados em 2017 e 2018, que geraram bônus de assinatura recorde e garantias de lucro para o governo, com atividade esperada em 50% para 5,5 milhões de b / d em meados da década de 2020.

Enquanto Bolsonaro prometeu continuar a luta contra a intromissão do governo na Petrobras e na indústria, a conversa de mercado que ele estava considerando nomear um general para ser o CEO da Petrobras levantou preocupações sobre promessas anteriores de manter a administração em entidades estatais sob liderança específica da indústria. . O atual presidente da Petrobras, Ivan Monteiro, e o antecessor, Pedro Parente, foram elogiados por sua virada de mercado na empresa, após o escândalo de corrupção que levou à investigação da Operação Lava Jato, de modo que uma mudança na administração poderia ser considerada um passo para trás.

Bolsonaro se diz preocupado com os chineses

Bolsonaro também tem sido muito crítico em relação aos investimentos da China no Brasil, dizendo que os investidores asiáticos estão abocanhando ativos locais a um preço baixo. O candidato disse que deseja limitar a propriedade estrangeira em áreas estratégicas como geração de energia.

CNPC e CNOOC da China são parceiros no offshore de Libra Field, a primeira área vendida sob o regime de partilha de produção do país. A CNPC e a Petrobras também chegaram recentemente a um acordo no qual a empresa chinesa poderia ter 20% de participação na refinaria inacabada do Comperj e no projeto de revitalização Marlim Field.

A Bolsonaro também apóia o plano de desinvestimento da Petrobras, que poderia pôr fim às ações judiciais e disputas legais que descarrilaram o programa de vendas de ativos da companhia, de US $ 21 bilhões, entre 2017 e 2018. Bolsonaro quer que a Petrobras vá ainda mais longe, reduzindo as participações monopolistas que a empresa detém em áreas como refino, distribuição, logística e transporte.

Haddad desejava reverter tudo o que foi feito até agora

Haddad, por sua vez, é favorável ao retorno do modelo de desenvolvimento liderado pelo Estado, implementado pelos ex-presidentes do PT, Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff.

O candidato reverteria as mudanças feitas no regime de partilha de produção em 2016 que removeu a exigência do operador único, o que forçou a Petrobras a deter pelo menos 30% de participação operacional em cada campo vendido sob contratos de partilha de produção. A empresa pediu a mudança porque não tinha mais dinheiro para financiar os investimentos, o que reduziu o ritmo de desenvolvimento.

Haddad também quer forçar as empresas de petróleo a comprar equipamentos e serviços de empresas brasileiras. As regras de conteúdo local, implementadas no início dos anos 2000 em um esforço para criar uma indústria robusta de serviços em campos petrolíferos, acabaram causando atrasos nos custos e atrasos de desenvolvimento quando as empresas brasileiras não conseguiam atender com eficiência a demanda crescente.

Apesar da liderança estatal de Haddad, a maioria dos executivos do setor petrolífero entrevistados pela Platts disse que o candidato provavelmente adotaria uma abordagem mais pragmática se vencesse, honrasse os contratos das últimas rodadas de licitações e continuasse com o atual cronograma de licitações, embora com algumas mudanças relacionadas. ao papel da Petrobras no pré-sal. Fonte da publicação: Global Platts


Gostaria de Ganhar um Curso de CBSP+HUET, 100% Grátis?

Em dezembro de 2018, sortearemos dois cursos combos de CBSP( Curso Básico de Segurança em Plataforma) e HEUT( Escape de Aeronave Submersa). Acontece que estes cursos são caros e muitas que desejam fazer pela primeira vez ou fazer uma reciclagem, estão com dificuldades devido a atual situação de empregabilidade. O Click Petróleo e Gás em reconhecimento a você leitor, com o patrocínio da Shelter Cursos e Treinamentos,  sortearemos estas certificações. Como participar...? É muito simples! Compartilhem ao máximo nos postagens nas redes sociais como ( Facebook, Linkedin, Whatsapp e etc)  e em seus grupos de amigos! Se tudo der certo, todos os meses a partir de dezembro sortearemos estes e outros cursos. As formas, regras e parâmetros para o sorteiro serão divulgados neste final de semana em nossas redes sociais. Aproveitem e visitem o site da  Shelter Cursos e Treinamentos clicando aqui, há muitos treinamentos na área de petróleo e gás disponíveis.
The following two tabs change content below.
Paulo Nogueira
Formado em Eletrotécnica e entusiasta do setor de tecnologia, já atuei em empresas do ramo de energia, óleo e gás como técnico de operações, Pressure Downrole Gauge Operator e em plataformas de completação do Brasil e exterior