1. Início
  2. / Indústria
  3. / Porque o INSANO PROJETO de Petróleo de US$12 BILHÕES do Afeganistão + China está APAVORANDO o mundo
Tempo de leitura 7 min de leitura Comentários 0 comentários

Porque o INSANO PROJETO de Petróleo de US$12 BILHÕES do Afeganistão + China está APAVORANDO o mundo

Escrito por Valdemar Medeiros
Publicado em 10/07/2024 às 06:08
Porque o INSANO PROJETO de Petróleo de US$12 BILHÕES do Afeganistão Está APAVORANDO o Mundo
Foto: Reprodução/Canal Engenharia sem limites

Exploração de petróleo no Afeganistão levanta preocupações globais, com implicações ambientais, políticas e de segurança, enquanto a busca por recursos energéticos continua a gerar tensões internacionais.

Apesar de sua riqueza mineral avaliada em mais de US$ 1 trilhão do Afeganistão, o país ainda sofre com a instabilidade política e violência. Mas há um novo brilho no horizonte: um colossal investimento de US$ 12 bilhões da China. Em um projeto que dura 25 anos, centrado em mineração de cobre e exploração de petróleo, o mundo aguarda para ver se isso pode finalmente trazer paz e prosperidade a uma nação que tanto sofreu.

O projeto de petróleo de US$12 bilhões do Afeganistão está apavorando o mundo por várias razões que vão além da simples exploração de recursos naturais. Primeiramente, a instabilidade política e a violência contínua no país levantam sérias preocupações sobre a viabilidade e segurança de um empreendimento dessa magnitude. O risco de ataques terroristas e a falta de um governo central forte e estável tornam a operação extremamente vulnerável a interrupções. Confira o conteúdo e os detalhes do projeto!

Principais pontos do megaprojeto de petróleo

  • O investimento da China no Afeganistão pode ajudar no desenvolvimento do país.
  • O Projeto de Mineração de Cobre e Náctar terá duração de 25 anos.
  • A segurança e o terrorismo são desafios significativos para os trabalhadores.
  • O investimento pode criar empregos e atrair mais investimentos internacionais.
  • Se bem-sucedido, o projeto pode melhorar a infraestrutura e as condições de vida da população.

O Afeganistão: visão abrangente do ‘Emirado islâmico’ e sua abundância de petróleo

Afeganistão, também conhecido como Emirado Islâmico do Afeganistão, é uma nação sem saída para o mar que se encontra no ponto de encontro entre a Ásia Central e a Ásia Meridional. Esta região, frequentemente chamada de Coração da Ásia, é limitada por vários países:

  • China a leste e nordeste
  • Paquistão a nordeste e leste
  • Irã a oeste
  • Turcomenistão a noroeste
  • Uzbequistão ao norte
  • Tajaquistão também ao norte
  • Paquistão a leste e sul

Geografia e população

O país é principalmente montanhoso, com um território de 652.864 km². Existem terras baixas no norte e sudeste, divididas pela cordilheira Indúkush. A capital e maior cidade do país é Cabul. Em 2021, a população do Afeganistão era de 40,2 milhões de pessoas, embora estimativas do governo coloquem esse número em 32,9 milhões.

O Afeganistão tem sido habitado desde o período do Paleolítico Médio. Devido à sua localização vantajosa ao longo da histórica Rota da Seda, foi encantadoramente chamado de Rotatória do Mundo Antigo. A região, frequentemente chamada de Cemitério dos Impérios, foi cenário de inúmeras operações militares, incluindo as dos:

  • Persas;
  • Alexandre o Grande;
  • Império Máuria;
  • Muçulmanos árabes;
  • Mongóis;
  • Britânicos;
  • União Soviética;
  • Coalização liderada pelos Estados Unidos.

Economia do Afeganistão gira em torno do petróleo?

O PIB nominal do Afeganistão em 2020 foi de US$ 20,1 bilhões, ou US$ 81 bilhões em paridade de poder de compra (PPC). Seu PIB nominal per capita é de US$ 611, e o PIB PPC per capita é de US$ 2.459. Apesar de possuir recursos minerais avaliados em pelo menos US$ 1 trilhão, o país ainda figura entre as nações menos desenvolvidas do mundo.

SetorPorcentagem do PIB
Serviços55,9%
Agricultura23%
Indústria21,1%

O Afeganistão exporta principalmente frutas e nozes e importa mercadorias no valor de mais de US$ 7 bilhões, mas só exporta itens no valor de US$ 784 milhões. Sua dívida externa é de US$ 2,8 bilhões.

A violência atual e a instabilidade política têm dificultado ainda mais o desenvolvimento no país. O Afeganistão tem lutado para existir, com fatores internos e externos contribuindo para a instabilidade ao longo da história. O impacto do terrorismo não afetou apenas os cidadãos, mas também toda a economia.

Recursos naturais e parceria estratégica com a China

O Afeganistão é rico em recursos petrolíferos, possuindo mais de 1.400 campos minerais que abrigam riquezas preciosas, incluindo ouro, minerais e gás natural. No entanto, a falta de tecnologia necessária para utilizar plenamente esses recursos é um grande obstáculo.

O que acontecerá se o país mais pobre do mundo receber a assistência de um país poderoso como a China? Para um país como o Afeganistão, ter a China ao seu lado é quase como uma esperança. Nesse contexto, falaremos sobre o investimento de US$ 12 bilhões da China no Afeganistão e consideraremos o que o futuro do projeto pode reservar para ambas as nações.

Projetos de mineração

A iniciativa mais destacada é o Projeto de Mineração de Cobre e Náctar. Este projeto, que durará 25 anos, é uma colaboração de exploração de petróleo de longo prazo entre os dois países. A China já extrai aproximadamente 80 milhões de barris de petróleo nas reservas do Afeganistão. Pelos três primeiros anos consecutivos, a China investirá US$ 150 milhões no projeto, aumentando o valor comprometido para até US$ 12 bilhões.

Benefícios e desafios

Com tantas nações participando deste programa, o Afeganistão poderá obter um lucro considerável com o comércio de petróleo, conquistar uma base de clientes consideráveis que dependerão deles e começar a forjar laços amigáveis com o resto do mundo. Este esforço impulsionará a economia do Afeganistão e atrairá muita atenção para o país.

Infraestrutura e geração de empregos

A participação da China em cada projeto levaria à criação de numerosas oportunidades de emprego no Afeganistão, ajudando a reduzir a alta taxa de desemprego. A infraestrutura danificada será melhorada, permitindo ao Afeganistão competir com o restante do globo.

No entanto, trabalhar no Afeganistão envolve aceitar um alto nível de risco devido à segurança precária do país. Os trabalhadores chineses que estão considerando trabalhar lá devem fazer uma avaliação completa de segurança antes de tomar uma decisão.

Energia e desenvolvimento

O Banco Mundial estima que, até 2018, 98% dos residentes rurais terão acesso à eletricidade, em comparação com 28% em 2008. A porcentagem geral é de 98,7%. Apesar de produzir 1.400 megawatts de eletricidade até 2016, o Afeganistão ainda importa a maioria de sua eletricidade por meio de linhas de transmissão do Irã e dos países da Ásia Central.

Devido à abundância de rios e riachos que se originam nas terras altas, a energia hidrelétrica responde pela maioria da geração de eletricidade. No entanto, às vezes ocorrem quedas de energia, especialmente em Cabul, e a energia nem sempre é confiável. Usinas de energia solar, biomassa e eólica têm sido construídas com mais frequência recentemente.

O futuro do Afeganistão depende de alianças estratégicas e do uso eficiente de seus vastos recursos naturais. A parceria com a China pode ser um passo significativo em direção à estabilidade e ao desenvolvimento econômico. No entanto, a segurança e a gestão dos recursos continuam sendo desafios críticos que precisam ser abordados para garantir um futuro próspero para o país.

A china e os seus investimentos massivos no Afeganistão

Nos últimos anos, a China tem realizado investimentos significativos no Afeganistão, visando explorar os vastos recursos naturais do país e fortalecer sua influência geopolítica na região. Um dos principais investimentos chineses é a exploração mineral.

A China Metallurgical Group Corporation (MCC) assinou um contrato de US$ 3 bilhões para desenvolver a mina de cobre de Aynak, uma das maiores reservas de cobre do mundo. Empresas chinesas têm demonstrado interesse em explorar as abundantes reservas de lítio do Afeganistão, um componente crucial para baterias de carros elétricos e dispositivos eletrônicos, posicionando o país como um jogador importante na cadeia de suprimentos de energia renovável.

Outro investimento estratégico da China é o desenvolvimento de infraestrutura. A Iniciativa do Cinturão e Rota (Belt and Road Initiative, BRI) visa melhorar as redes de transporte e logística, incluindo a construção de estradas e ferrovias que conectem o Afeganistão aos mercados regionais e globais. Esses projetos não só facilitam o comércio, mas também ajudam a estabilizar a economia afegã, gerando empregos e promovendo o desenvolvimento local.

A China tem investido em projetos de energia no Afeganistão, incluindo a construção de usinas hidrelétricas e a exploração de petróleo e gás. Esses investimentos visam não apenas atender às necessidades energéticas locais, mas também garantir o acesso da China a recursos energéticos vitais.

Esses esforços refletem a estratégia chinesa de consolidar sua presença econômica e política no Afeganistão, apesar dos desafios de segurança e instabilidade na região.

Não podemos esquecer o potencial turístico ligada a essa biodiversidade. Com desenvolvimento sustentável e esforços de conservação, essa joia escondida da natureza pode transformar-se em um destino de ecoturismo, promovendo não apenas a economia local mas também uma nova perspectiva ambiental para o país. O futuro do Afeganistão não se esgota em riquezas minerais; suas maravilhas naturais são igualmente promissoras.

Inscreva-se
Notificar de
guest
0 Comentários
Mais antigos
Mais recente Mais votado
Feedbacks
Visualizar todos comentários
Valdemar Medeiros

Jornalista em formação, especialista na criação de conteúdos com foco em ações de SEO. Escreve sobre Indústria Automotiva, Energias Renováveis e Ciência e Tecnologia

Compartilhar em aplicativos
0
Adoraríamos sua opnião sobre esse assunto, comente!x