1. Início
  2. / Economia
  3. / Petróleo, gás, refino: veja como pensa a nova presidente da Petrobras
Tempo de leitura 4 min de leitura Comentários 0 comentários

Petróleo, gás, refino: veja como pensa a nova presidente da Petrobras

Escrito por Alisson Ficher
Publicado em 27/05/2024 às 20:49
Regina Chambriard, presidente da Petrobras. (Imagem: Antonio Cruz/ Agência Brasil)
Regina Chambriard, presidente da Petrobras. (Imagem: Antonio Cruz/ Agência Brasil)

A Petrobras, maior empresa estatal brasileira e uma das maiores petrolíferas do mundo, está de presidente novo. Agora, quem manda na companhia é a engenheira civil Magda Maria Regina Chambriard, defensora da atuação da Petrobras na exploração e produção de petróleo e gás e do papel da empresa como indutora do desenvolvimento no país.

Regina assume a Petrobras com o objetivo de acelerar investimentos em áreas em que a empresa se desfez de ativos recentemente. Como exemplo, tem-se o refino e fertilizantes.

Em entrevista ao Blog do Desenvolvimento, agência de notícias econômicas do Norte e Nordeste do Brasil, a executiva revelou suas principais opiniões. Nesta matéria do Click Petróleo e Gás, você confere o que de mais relevante ela falou.

Velha conhecida de Lula e da Petrobras

Regina Chambriard integrou a equipe responsável por formular o projeto de governo do ainda então candidato Luiz Inácio Lula da Silva (PT), ou seja, conhece bem os temas do setor mais sensíveis e importantes para a atual gestão do Executivo.

Além de ter participado do projeto de governo de Lula, Regina Chambriard também já esteve na própria Petrobras. Isso, de 1980 a 2002. Ela saiu da empresa porque acabou sendo cedida à Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP). Por lá, ela foi diretora e assumiu a diretoria-geral.

Regina Chambriard, presidente da Petrobras. (Imagem: Antonio Cruz/ Agência Brasil)

Ideias de Regina Chambriard

De acordo com ela, a Petróleo tem um papel na matriz energética, visto que 84% da energia no mundo ainda é resultante dos combustíveis fósseis. Com esses números, afirma ela, é fácil concluir que ainda é necessário contar com o petróleo.

“Não tem como dar cavalo de pau em um transatlântico”, disse ela, que ainda destacou a importância do setor naval. Nesse sentido, ela destacou que é preciso atualizar a infraestrutura portuária.

Como exemplo, ela citou a atividade petroleira do Estado do Rio de Janeiro que acontece no mar. “Toda uma economia voltada para o mar. Vamos precisar de toda uma infraestrutura portuária atualizada, inclusive os terminais para tancagem de petróleo e derivados”, disse.

Sobre o gás natural, Regina Chambriard destca que a produção não para de crescer. “A produção de gás do país não para de crescer. No mês de janeiro [de 2023] o país produziu 143 milhões de metros cúbicos por dia (m³) de gás natural, um volume mais do que suficiente para atender a toda a demanda do país (…)”, disse.

Segundo ela, esse gás nacional não consegue chegar completamente ao consumidor final por falta de infraestrutura de escoamento, de transporte e de distribuição. “O governo, em 2019, entendeu que esse mercado de gás é monopsônico como produtor, oligopsônico como distribuidor e detentor do terceiro gás mais caro entre as referências de preço da Europa”, explicou.

Quanto ao refino, Regina Chambriard destacou que o Brasil é um país continental, carente de cada vez mais energia para seu crescimento. Nesse sentido, ela afirma ser necessário ampliar a capacidade de processamento do petróleo cru e, desta forma, agregar valor a ele no Brasil.

O papel da Petrobras

Por fim, a executiva ainda destacou o papel da Petrobras. Segundo ela, um país é mais forte quanto mais forte forem suas corporações. “Eu me pergunto como é isso, quando uma empresa é partilhada e deixa de atuar como uma corporação tão forte em favor do Brasil. Para avaliar se precisamos de uma estatal ou não, é preciso conhecer o Brasil”, afirmou Regina Chambriard.

E a negativa do Ibama

Na entrevista, ela ainda falou sobre a negativa do Ibama ao pedido de licenciamento para a perfuração de poço exploratório na Bacia da Foz do Amazonas. Isso, depois de dez anos da licitação da área.

Para ela, não se pode ser inconsequente e licenciar a qualquer custo. “Mas também é certo que se precisa estar mais preparado para enfrentar o desafio do licenciamento tempestivo, sob pena de condenar o Brasil à estagnação”, disse.

Nesse sentido, ela destaca que o Ministério do Meio Ambiente não pode “usurpar” o poder de concessão da Presidência da República. “É nesse contexto que se advoga a intervenção do Presidente da República. É ele que tem mandato para estabelecer as prioridades nacionais, em nome do povo, já que essas outorgas têm o aval do CNPE e da Presidência,” destacou.

Inscreva-se
Notificar de
❗❗❗Faça login para poder postar links, fotos, conectar com pessoas e muito mais. Seu perfil pode ser visto por mais de 1 milhão de usuários todos os dias😉
0 Comentários
Feedbacks
Visualizar todos comentários
Tags
Alisson Ficher

Jornalista formado desde 2017 e atuante na área desde 2015, com experiência de seis anos em revista impressa e mais de 12 mil publicações online. Especialista em temas como política, empregos, economia, cursos e outros. Caso tenha alguma dúvida ou sugestão de pauta sobre algum dos temas tratados no site, por favor, entre em contato.

Compartilhar em aplicativos
0
Adoraríamos sua opnião sobre esse assunto, comente!x