Petrobras exclui Golar Power da licitação de terminal de GNL da Bahia

Kelly
por
-
03-10-2020 10:54:30
em Petróleo, Óleo e Gás
Petrobras exclui Golar Power da licitação de terminal de GNL da Bahia Terminal de regaseificação de GNL/Imagem: divulgação

A decisão da Petrobras foi tomada depois que o presidente da Golar Power no Brasil, Eduardo Antonello, se tornou alvo da investigação de corrupção da Lava Jato Golar

A Petrobras do Brasil desqualificou a proposta apresentada pela Golar Power para o arrendamento de seu terminal de GNL no estado da Bahia. De acordo com documentos públicos divulgados pela empresa de petróleo controlada pelo governo federal, a due diligence realizada pela comissão de licitação concluiu que Golar tinha um alto grau de risco de integridade.

Leia também

A decisão foi tomada depois que o presidente da Golar Power no Brasil, Eduardo Antonello, se tornou alvo da investigação de corrupção da Lava Jato em relação às suas atividades anteriores como executivo da Seadrill, uma operadora de plataforma que tem contratos de afretamento com a Petrobras.

A Golar foi a única empresa a apresentar licitação no leilão do terminal de GNL. A BP Energy solicitou mais tempo para apresentar uma oferta, enquanto a Compass Gas and Energy recusou-se a apresentá-la.

Em nota, a Petrobras disse que o processo licitatório entrou em fase de recurso. “Se o concurso for encerrado sem a obtenção de propostas válidas pela Petrobras, a empresa fará uma nova licitação”, disse o NOC.

A Golar Power possui atualmente uma usina a GNL no Brasil, a termelétrica Porto de Sergipe I, no estado de Sergipe, em parceria com a Celse, que é detida em 50% pela empresa. A planta é alimentada pela joint venture Ocean LNG entre a ExxonMobil e a Qatar Petroleum.

A empresa também opera o Golar Winter FSRU que está ancorado no terminal da Bahia sob afretamento a casco nu à Petrobras e possui pelo menos dois projetos de terminais de regaseificação de GNL em fase de desenvolvimento nos estados de Santa Catarina (São Francisco do Sul) e Pará (Barcarena )

A Golar, com sede em Londres, tem como objetivo levar GNL para o interior do Brasil, desde terminais de regaseificação ao longo da costa ou margens de rios até consumidores finais em locais não atendidos pela rede nacional de gasodutos. Para isso, a empresa pretende utilizar a infraestrutura da BR Distribuidora e uma frota de caminhões movidos a GNL fornecida pela Alliance GNL.

A BP Energy, que ainda pode disputar o arrendamento do terminal na Bahia, faz parte da JV Gás Natural Açu (GNA) com a Prumo Logística e a Siemens. A JV está construindo uma usina termelétrica no porto do Açu, no estado do Rio de Janeiro, que será movida principalmente a GNL importado fornecido pela petroleira britânica.

A BP também fornecerá gás para a termelétrica Nossa Senhora de Fátima, em Macaé, no estado do Rio, onde detém 25% do capital, sendo o restante detido pela brasileira Eneva.

“Assim como Shell, ExxonMobil e Total, a BP tem muito GNL em seu portfólio e está em busca de novos mercados. O terminal da Bahia é uma porta de venda de GNL no Brasil. Mais importante, é uma porta que já existe ”, disse Sylvie D’Apote, sócia-gerente da Prysma E&T Consultores, à BNamericas. “A BP fornecerá GNL no Porto do Açu, e o terminal da Bahia poderia funcionar como um ponto de entrega alternativo caso a planta do Rio de Janeiro não necessite de novas cargas.”

Desde 2017, a BP adquiriu oito blocos offshore nas bacias de Campos e Santos. Caso a exploração resulte em novos campos, a petroleira poderia construir uma malha de dutos para levar sua produção ao porto do Açu ou Macaé.

A Compass Gás e Energia pertence ao grupo Cosan e tem como foco a distribuição de gás via Comgás (também empresa Cosan), infraestrutura, geração termelétrica e comercialização de energia elétrica.

A Cosan apresentou ao órgão regulador ambiental do Ibama projetos de construção de dois novos gasodutos offshore: a Rota 4 de 270 km está prevista para conectar o bloco BM-S-8, na bacia de Santos, a uma nova unidade de tratamento de gás natural em Cubatão, no interior de São Paulo, enquanto seus 231 km de duto da Rota 4b ligariam o mesmo bloco ao porto de Itaguaí, no Rio de Janeiro.

O grupo brasileiro também tem um projeto de construção de um terminal de regaseificação de GNL em Lagoa Canéu, que será interligado à rede de distribuição de gás da Comgás em Cubatão, no interior de São Paulo.

Fonte: BNamericas

Tags:
Kelly
Engenheira de Petróleo especialista em Eficiência Energética e pós-graduada em Engenharia Civil; Possui experiência em atividades na indústria petrolífera onshore. Entre em contato para sugestões de pauta, postar vagas de emprego ou proposta de publicidade em nosso portal.