Segundo o Ibama, Petrobras esconde vazamento de petróleo no Espírito Santo e Rio de Janeiro

Petrobras esconde vazamento de petróleo

Petrobras registrou dois vazamentos de petróleo em plataformas do Rio de Janeiro e do Espírito Santo que não foram comunicados ao mercado.

Segundo o Ibama, houve falhas na contenção de danos provocados por dois vazamentos de petróleo no mar neste ano, envolvendo duas plataformas da Petrobras. Um dos vazamento ocorreu em fevereiro na plataforma P-58, a 85 quilômetros da costa do Espírito Santo e o outro  aconteceu na plataforma P-53, localizada em Arraial do Cabo, no Rio de Janeiro. Nesta semana houve rumores que a estatal seria privativada, o governo desmentiu o mal entendido e afirmou que não há intenção de privatizar a companhia.

No vazamento ocorrido na plataforma P-53, a estatal petroleira escondeu o derramamento de óleo deixando de comunicá-lo ao mercado e reportou ao Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e Recursos Naturais Renováveis, um volume vazado bem inferior ao que efetivamente ocorreu.

O Ibama afirma que nas duas ocorrências havia condições para o recolhimento do óleo derramado, o que não teria acontecido. As falhas foram omitidas. Nos últimos dias, o corpo técnico do órgão comunicou o que ocorreu ao Ministério do Meio Ambente (MMA).

Segundo o que foi reportado pelo Ibama ao ministério, um vazamento de petróleo ocorreu na P-53 em 25 de março deste ano. Inicialmente, o volume vazado reportado pela estatal foi de 1,7 mil litros. Depois, o volume calculado chegou a 122 mil litros, segundo informações do Ibama.

Um relatório de investigação sobre o acidente registra que a ação de contenção e recolhimento de óleo só foi colocada em prática dois dias depois do acidente.

Neste caso, nenhum comunicado ao mercado foi feito pela Petrobras. A estatal de capital aberto precisa comunicar seus acionistas sobre fatos relevantes, bem como a companhia fez no acidente envolvendo a plataforma P-58, no Espírito Santo.

O comunicado foi divulgado no mesmo dia, com informação de que o volume vazado era estimado inicialmente em 188 mil litros.

O vazamento na P-58, em 23 de fevereiro deste ano, gerou uma mancha de petróleo que se estendeu por 2,4 quilômetros. A Petrobras chegou a informar que não houve recolhimento do petróleo vazado, que teria se evaporado.

Com investimento estimado em US$ 2 bilhões, usinas no Rio de Janeiro se tornarão o maior complexo termelétrico da América Latina

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião do Click Petróleo e Gás.

Avatar

Sobre Flavia Marinho

Engenheira de Produção pós graduada em Engenharia Elétrica e experiente na indústria de construção naval. OBS: Não contratamos, então não envie currículos! Informações sobre empregabilidade apenas no site.