1. Início
  2. / Uncategorized
  3. / O petróleo se prepara para fazer uma ‘curva em S’: assim será o último baile do petróleo e da economia
Tempo de leitura 6 min de leitura Comentários 1 comentários

O petróleo se prepara para fazer uma ‘curva em S’: assim será o último baile do petróleo e da economia

Escrito por Noel Budeguer
Publicado em 11/06/2024 às 18:29
Petróleo - Gás - economia
O petróleo se prepara para fazer uma ‘curva em S’: assim será o último baile do petróleo e da economia

Descubra o futuro do petróleo com a curva em S. Analise a previsão da Goldman Sachs e da AIE sobre o impacto econômico global e o desenvolvimento do crudo até 2040

Todos os anos, são publicadas dezenas de previsões que colocam uma data para o início do fim do petróleo. A poderosa irrupção do carro elétrico, as melhorias na eficiência dos motores de combustão ou o menor uso dos hidrocarbonetos nas indústrias dos países desenvolvidos levaram a que esta década fosse vista como a última em que a demanda mundial de petróleo aumentará. No entanto, são tantos os fatores que podem influenciar o consumo de petróleo em um período de anos, que as ‘apostas’ são variadas e todas parecem ter lógica e fundamento. Uma das últimas foi a de Goldman Sachs que, em contrapartida ao consenso marcado pela Agência Internacional de Energia, acredita que a demanda de petróleo continuará crescendo por mais alguns anos. Assim será o último baile entre o petróleo e a economia.

Movimentos conjunturais do petróleo

Além dos movimentos conjunturais do petróleo provocados por alterações temporárias da demanda (que se movimenta conforme a economia) e da oferta (segundo os cortes da OPEP e a produção na América), o preço do petróleo também pode ser analisado a longo prazo. O cenário de longo prazo que se apresenta como mais provável para os investidores e os organismos internacionais aponta para uma demanda mundial de petróleo que começará a cair no final desta década. A Agência Internacional de Energia (AIE) ousa estabelecer um exercício concreto para marcar o princípio do fim da demanda de petróleo: 2030 é esse ano ‘mágico’. Em seu cenário base, a AIE supõe que todos os governos cumprem seus compromissos energéticos e climáticos em sua totalidade, prevendo que a demanda mundial de petróleo alcançará um máximo em 2030. Daí em diante, serão apenas declínios para o consumo global de petróleo.

Goldman Sachs que, em contrapartida ao consenso marcado pela Agência Internacional de Energia, acredita que a demanda de petróleo continuará crescendo por mais alguns anos .Fonte: thetricontinental

Goldman Sachs e o último baile do petróleo

No entanto, os economistas do Goldman Sachs acreditam que está sendo ignorado um fator-chave. Todo mundo coloca o foco no carro elétrico, na eficiência energética… mas poucos olham para o que está acontecendo na economia global. Uma boa parte da população mundial está prestes a entrar em uma fase de desenvolvimento econômico que gera uma espécie de ‘sweet spot’ ou ponto doce para o consumo de petróleo. Este ponto é o momento em que se supera o nível de renda que permite aos consumidores começar a viajar, pegar aviões, comprar um carro e realizar outras atividades de lazer que se alimentam com os derivados do petróleo. Um bom exemplo é o da Índia, com cerca de 1,5 bilhões de habitantes que nos próximos anos alcançarão o ‘sweet spot’.

“Ainda que o impacto dos carros elétricos na demanda por gasolina tenha recebido muita atenção, foi dada menos atenção ao fato de que o PIB per capita médio mundial está se aproximando de um sweet spot ou ponto ótimo nos próximos anos, cada dólar que aumente os rendimentos provavelmente gerará uma quantidade cada vez maior de demanda por gasolina”, afirmam os economistas do Goldman Sachs.

A curva em S do crescimento da demanda

Quando se vê desde uma perspectiva de longo prazo, o crescimento da demanda de petróleo mostra uma relação não linear com o crescimento da renda per capita. Ou seja, uma maior renda per capita (riqueza ou desenvolvimento) nem sempre gera um consumo maior proporcional de combustível. Por exemplo, cada euro que aumenta a renda em um país muito desenvolvido não incrementa o consumo de petróleo significativamente, às vezes até o reduz. Contudo, nos países em desenvolvimento, cada euro extra de renda incrementa intensamente a demanda por combustível.

Por isso, os economistas do Goldman Sachs asseguram que o consumo de petróleo tem uma relação com a renda que pode ser representada através de uma ‘curva em forma de S’. Esta curva apresenta um padrão de crescimento em que a demanda de petróleo aumenta lentamente em economias com rendas per capita muito baixas (África, por exemplo), para entrar mais tarde em uma fase de aceleração positiva, que cresce rapidamente, aproximando-se de uma taxa de crescimento exponencial, como ocorre na curva em forma de ‘J’; mas que depois diminui em uma fase de aceleração negativa até que a demanda se estabiliza com uma taxa de crescimento zero e termina até mesmo descendo (o pico final da ‘S’).

Exemplos práticos da curva em S

De uma forma mais gráfica e com exemplos, o começo da ‘S’ pode ser explicado da seguinte maneira: em um país muito pobre, por exemplo, Sudão do Sul, o crescimento econômico pode se traduzir em uma melhora na alimentação, roupas, moradia… Esse crescimento gera um incremento muito baixo da demanda de hidrocarbonetos. No entanto, a demanda de petróleo se acelera à medida que os rendimentos aumentam e alcançam um nível médio-baixo, como por exemplo ocorreu na China no final dos anos 90 e nos anos 2000, ou como está ocorrendo agora na Índia. Durante este incremento, ocorre a decolagem da ‘S’ para cima, antes de desacelerar para um ponto de saturação, que é o final da ‘S’, que é alcançado quando a economia atinge já um ponto elevado de desenvolvimento, explica o relatório do Goldman Sachs.

“O crescimento econômico mundial está elevando pouco a pouco a população mundial na escala do gasto de consumo: os padrões de consumo evoluem à medida que os indivíduos passam de níveis de renda mais baixos para níveis mais altos, impulsionando assim uma crescente demanda por petróleo até certo ponto… Se analisarmos as regiões, é provável que os mercados emergentes da Ásia impulsionem a maior parte do crescimento da demanda mundial de petróleo em nossa previsão”, comentam desde Goldman Sachs.

Índia e China devoram petróleo

“Antecipamos que a China contribuirá positivamente para a demanda mundial de petróleo até que alcance seu máximo no final da década de 2020. No caso da Índia, embora nossa equipe especializada em motores espere uma rápida eletrificação dos veículos de duas rodas da Índia (que representam mais de 50% do consumo de gasolina da Índia), assim como dos automóveis, a sólida expansão da frota de veículos de passageiros da Índia compensará o impacto, o que levaria a um crescimento contínuo na demanda por combustível para transporte da Índia em toda a previsão”, explicam estes especialistas.

Com todos esses dados, os economistas do Goldman chegam à grande conclusão: ainda falta uma década inteira para que se chegue ao pico da demanda de petróleo. Elevamos nossa previsão de demanda para 2030 até os 108,5 milhões de barris diários. Acreditamos que o pico da demanda ou peak demand oil não chegará até 2034. Não só chegará mais tarde, como também a demanda se estagnará em máximos (110 milhões de barris diários) até 2040, momento em que começará a cair pouco a pouco.

Nossa visão para o petróleo é mais otimista que a da AIE, que prevê que a demanda de petróleo alcançará seu ponto máximo antes de 2030. Se além disso “incluirmos um cenário de lenta adoção de veículos elétricos, dado o recente estancamento das vendas de veículos elétricos, isso implicaria que a demanda por petróleo continuaria aumentando até aproximadamente 2040, tocando o teto em 113 milhões de barris diários.

Inscreva-se
Notificar de
guest
❗❗❗Faça login para poder postar links, fotos, conectar com pessoas e muito mais. Seu perfil pode ser visto por mais de 1 milhão de usuários todos os dias😉
1 Comentário
Mais antigos
Mais recente Mais votado
Feedbacks
Visualizar todos comentários
Noel Budeguer

De nacionalidade argentina, sou redator de notícias e especialista na área. Abordo temas como ciência, petróleo, gás, tecnologia, indústria automotiva, energias renováveis e todas as tendências no mercado de trabalho.

Compartilhar em aplicativos
0
Adoraríamos sua opnião sobre esse assunto, comente!x