Menu
Início Nem a Grande Muralha da China, nem as pirâmides do Egito: esta é a única construção humana que pode ser vista do espaço

Nem a Grande Muralha da China, nem as pirâmides do Egito: esta é a única construção humana que pode ser vista do espaço

19 de abril de 2024 às 08:09
Compartilhe
Compartilhar no WhatsApp
Compartilhar no Facebook
Compartilhar no LinkedIn
Compartilhar no Telegram
Compartilhar no Twitter
Compartilhar no E-mail
Siga-nos no Google News
construção - energia renovável
Mar de Plástico de Almería: a construção humana única que você pode ver do espaço. Descubra sua origem e efeito local aqui!

Mar de Plástico de Almería: a construção humana única que você pode ver do espaço. Descubra sua origem e efeito local aqui!

Geralmente, quando pensamos em estruturas colossais criadas pelo ser humano, a Grande Muralha da China ou as pirâmides de Gizé são as primeiras que vêm à mente. No entanto, existe uma construção moderna que, embora não tão famosa, supera essas antigas construções em um aspecto singular: sua visibilidade do espaço.

Trata-se do chamado Mar de Plástico de Almería, no sul da Espanha. Esta vasta extensão de estufas, que cobre mais de 40.000 hectares, é tão grande que é a única construção humana visível do espaço.
Mas poucos conhecem essa incrível mancha branca na borda do Mediterrâneo. Como surgiu? Do que é feita? Qual é o seu impacto ambiental?

Artigos recomendados

A história do construção do Mar de Plástico remonta à década de 1960, quando agricultores espanhóis buscavam uma maneira de cultivar frutas e vegetais fora de temporada em um clima árido e com pouca chuva. A província de Almería, no sudeste da Espanha, tem algumas das condições mais secas da Europa. Mas essa área tem acesso a águas subterrâneas e abundância de sol.
Assim, os agricultores pensaram em uma solução inteligente: a construção de estufas cobertas de plástico.

Mar de plástico de Almería. (Foto: NASA)

O que são estufas

As estufas são um fenômeno relativamente novo. Na década de 1950, o Campo de Dalías, uma região situada à beira do mar Mediterrâneo, estava coberto principalmente por vegetação de mato, pastos e algumas pequenas parcelas de cultivos sazonais que cresciam ao ar livre.

Ali, os agricultores começaram a experimentar nas décadas de 1950 e 1960, adicionando camadas de areia junto com uma cobertura de plástico, inicialmente para proteger o solo e as plantas dos ventos danosos e das águas subterrâneas salgadas. Logo perceberam que os cultivos sob plástico eram muito mais produtivos do que os cultivos ao ar livre porque o solo mantinha mais calor e retinha mais umidade.
A inovação se mostrou um sucesso retumbante. As estufas criaram um microclima perfeito para o cultivo, protegendo as plantas dos ventos, do sal do mar e das geadas. Além disso, o plástico permitiu um melhor controle da temperatura, umidade e luz, otimizando o crescimento das colheitas.

Mar de plástico de Almería. (Foto: NASA)

Assim, o mar de plástico rapidamente se tornou um motor econômico para a região. Hoje, Almería é um dos principais produtores de frutas e vegetais da Europa. Graças a essa impressionante estrutura de centenas de “barracas”, abastece mercados em todo o continente e até além.

Atualmente, as estufas de Almería produzem entre 2,5 milhões e 3,5 milhões de toneladas de frutas e vegetais por ano, o suficiente para se tornarem uma fonte importante de tomates, pimentões, pepinos e melões fora de temporada para os habitantes de toda a Europa.

Segundo estimativas publicadas pela NASA, as estufas de Almería agora cobrem mais de 40.000 hectares, quase todo o Campo de Dalías. Também se estenderam para áreas vizinhas. As estufas cobrem uma área tão grande que provavelmente até causaram um efeito de resfriamento localizado, uma vez que os telhados brancos refletem uma quantidade substancial de luz solar.

O impacto ambiental do Mar de Plástico de Almería

A construção do Mar de Plástico de Almería não está isento de críticas. O uso extensivo dos materiais necessários para os telhados das estufas gerou preocupações ambientais, como a poluição do solo e da água por resíduos plásticos, a perda de biodiversidade e a emissão de gases nocivos para a atmosfera.

Estufas de Almería. (Captura: Google Maps)

Conscientes desses desafios, os agricultores, as autoridades e as organizações ambientais trabalham há anos para tornar a construção de estufas mais sustentável, com novas técnicas para reduzir o uso de plástico, como o uso de bioplásticos degradáveis e a reutilização de materiais.

Além disso, estão sendo fomentadas práticas agrícolas mais sustentáveis, como a agricultura orgânica e a gestão eficiente da água.

Fonte: tn.com

Inscreva-se
Notificar de
guest
40 Comentários
Mais antigos
Mais recente Mais votado
Feedbacks
Visualizar todos comentários
Relacionados
Mais recentes
COMPARTILHAR
40
0
Adoraríamos sua opnião sobre esse assunto, comente!x