Início O que a Petrobras fará agora que o preço do barril de petróleo chegou a marca de USD 110,00?

O que a Petrobras fará agora que o preço do barril de petróleo chegou a marca de USD 110,00?

2 de março de 2022 às 15:08
Compartilhe
Siga-nos no Google News
O conflito entre Rússia e Ucrânia fez o preço do petróleo disparar. A Petrobras monitora o mercado para tomar decisões sobre reajustes nos combustíveis no Brasil.
Imagem: G1 via Google

A guerra no leste europeu envolvendo Rússia e Ucrânia está trazendo impactos à economia mundial a cada dia de conflito. No Brasil existe a preocupação com o valor do barril de petróleo.

O mercado internacional sente os impactos do conflito armado envolvendo Rússia e Ucrânia. O preço do barril do petróleo disparou e já alcança a marca dos USD 110. O país russo é o terceiro maior produtor do planeta. E o Brasil estabelece o preço dos combustíveis baseado no valor do dólar. Com isso, fica a dúvida: o que Petrobras fará agora que esse valor aumentou e não tem previsão de baixar?

Veja também

Com toda essa situação envolvendo indiretamente o mercado de petróleo, surge a notícia de que vários países vão liberar seus estoques do produto equivalentes a menos de um dia de consumo. Serão 60 milhões de barris liberados das reservas de 31 países-membros da Agência Internacional de Energia.

Vídeo explica como pode ser o comportamento da Petrobras diante dessa crise internacional

Combustíveis podem aumentar de preço com a guerra no leste europeu. Fonte: Rede TV

O tipo Brent, referência para a Petrobras, subiu 7,78% (o maior registro desde 2014). Já o barril de petróleo do tipo WTI, referência nos Estados Unidos, avançou 9,08%, sendo portanto o maior pico desde o ano de 2013.

Trabalhe no Setor Eólico do Brasil

Ciente do impacto de elevação muito forte nos preços do mercado global de petróleo, a Petrobras prometeu monitorar os impactos econômicos devido a invasão da Rússia à Ucrânia.

“O mercado todo está observando o que está acontecendo e tentando avaliar as consequências da crise, a partir dos desdobramentos da situação na Ucrânia”.

Diretor executivo de Comercialização e Logística da Petrobras, Cláudio Mastella

Antes do conflito no leste europeu, o general da reserva do Exército Joaquim Silva e Luna, presidente da Petrobras, chegou a dizer que uma guerra seria improvável, e que uma estabilização das tensões tem potencial de esfriar o mercado do petróleo.

Mercado de combustíveis no Brasil ainda mais pressionado com alta do preço barril do petróleo

A disparada do preço do petróleo pressiona ainda mais o mercado dos combustíveis aqui no Brasil. Se já não bastasse o preço da gasolina alcançar R$ 7 em diversas cidades brasileiras, o valor desse combustível, que é o mais usado no país, pode subir ainda mais por causa do conflito Rússia vs Ucrânia.

A gasolina e o diesel estão entre os combustíveis derivados do petróleo. Portanto, dependem do preço do barril do produto. A estimativa é que o valor pode alcançar US$ 147,50 se as exportações de petróleo bruto da Rússia forem afetadas pelas tensões com a Ucrânia, o que seria um recorde desde o ano de 2008. A Petrobras não reajusta os preços dos combustíveis desde o dia 12 de janeiro. De lá pra cá, quanta coisa vem acontecendo…

Não há resposta simples sobre o que a Petrobras pode fazer para conter os preços dos combustíveis derivados do petróleo enquanto Rússia e Ucrânia estiverem em conflito

A Petrobras continuará avaliando os impactos da alta volatilidade dos preços do petróleo no mercado internacional no momento, antes de tomar qualquer decisão sobre os preços.

As palavras do presidente da estatal, Joaquim Silva e Luna, é de que não se tem uma resposta fácil nem simples agora e que “devemos continuar observando o mercado por mais algum tempo e observando em paralelo a evolução do câmbio no Brasil”.

Por enquanto, nada pode deter a alta do preço do petróleo. Nem a notícia da liberação de 60 milhões de barris dos países-membros da Agência Internacional de Energia.

De acordo a Agência de Informação sobre Energia dos Estados Unidos (EIA), 97 milhões de barris de petróleo bruto e produtos petrolíferos foram consumidos no mundo por dia em 2021.

Relacionados
Mais recentes