Governo veta Brasduto – Fundo de Expansão dos Gasodutos que seria financiado com recursos do pré-sal

Flavia Marinho
por
-
09-09-2020 11:24:33
em Petróleo, Óleo e Gás
pré-sal, Brasduto Fundo de Expansão dos Gasodutos O Brasduto – Fundo de Expansão dos Gasoduto, era um dos itens mais polêmicos no Congresso. Se fosse mantido, as áreas de saúde e educação poderiam perder R$ 242 bilhões nos próximos 20 anos.


O Brasduto – Fundo de Expansão dos Gasoduto, era um dos itens mais polêmicos no Congresso. Se fosse mantido, as áreas de saúde e educação poderiam perder R$ 242 bilhões nos próximos 20 anos.

Foi vetado pelo presidente Jair Bolsonaro na última terça-feira(08/09) o trecho de um projeto de lei  Lei n° 209 de 2015  que direcionava recursos do pré-sal para estados, municípios e para financiar a expansão de gasodutos – Brasduto. Petrobras anunciou ontem à noite (08/09), avanço na venda de blocos de petróleo do pré-sal

Leia também

Considerada uma das mais urgentes para o setor elétrico, a lei vivia o impasse no mercado de curto prazo de energia, com cerca de R$ 8,7 bilhões em valores não liquidados.

Hoje, 100% desse dinheiro vai para o Fundo Social do Pré-Sal. O texto previa que os repasses fossem divididos: 50% continuariam no Fundo Social; 30% iriam para fundos de Participação dos Estados (FPE) e de Participação dos Municípios (FPM); e 20%, para o a construção de gasodutos.

A medida havia sido aprovada pelo Congresso no início de agosto. O financiamento de gasodutos seria feito por meio de uma linha chamada de “Brasduto”, que também foi vetada.

O ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, já havia afirmado que o governo havia recomendado os vetos. Se o Brasduto fosse mantido, as áreas de saúde e educação poderiam perder R$ 242 bilhões nos próximos 20 anos.

Segundo comunicado do Palácio do Planalto, a criação do Brasduto representaria um “vício de iniciativa”, porque cabe ao presidente, e não ao Congresso, regulamentar estruturas administrativas.

“Ademais, a propositura não apresentou a estimativa do impacto orçamentário e financeiro, gerando aumento de despesas”, diz a nota oficial.

Bolsonaro manteve o ponto principal do texto, que resolve uma disputa judicial entre usinas e o governo sobre quem deve pagar a conta pela redução da geração de eletricidade por meio de hidrelétricas e pelo acionamento de usinas termelétricas, que são mais caras.

A lei estabelece compensações aos titulares das hidrelétricas que participam do Mecanismo de Realocação de Energia (MRE) que forem afetados por efeitos de usinas com prioridade de licitação e implantação indicados pelo Conselho Nacional de Política Energética (CNPE).

Os efeitos são o escoamento da energia por atraso na entrada em operação ou de entrada em operação em condição insatisfatória pela transmissão, além de diferença entre a garantia física outorgada na fase de motorização e os valores da agregação efetiva de cada unidade geradora motorizada ao SIN.

Sobre o Brasduto

Programa Brasduto, prevê o financiamento para construção de gasodutos, unidades de processamento de gás natural e terminais de GNL. Seria uma forma de fomentar a expansão da infraestrutura essencial para importação, regaseificação e transporte de gás natural e atender regiões do país isoladas da rede existente.

Tags:
Flavia Marinho
Engenheira de Produção pós graduada em Engenharia Elétrica e Automação. Experiente na indústria de construção naval onshore e offshore. Entre em contato para sugestão de pauta, divulgação de vagas de emprego ou proposta de publicidade em nosso portal.