Menu
Início Governo Federal defende a tributação imediata da exportação de petróleo cru

Governo Federal defende a tributação imediata da exportação de petróleo cru

12 de abril de 2023 às 13:11
Compartilhe
Compartilhar no WhatsApp
Compartilhar no Facebook
Compartilhar no LinkedIn
Compartilhar no Telegram
Compartilhar no Twitter
Compartilhar no E-mail
Siga-nos no Google News
tributação da exportação de petróleo cru
plataforma de petróleo no Brasil (foto/divulgação)

O governo federal está enfrentando uma batalha jurídica sobre a decisão de aumentar temporariamente a tributação sobre a exportação de petróleo cru.

A medida provisória em questão, que instituiu uma alíquota de 9,2% no imposto sobre exportação de petróleo cru, foi editada no final de fevereiro e é alvo de três ações na Suprema Corte abertas por PL, Novo e pelas empresas de exploração de petróleo.

Para defender sua decisão, o governo federal apresentou uma argumentação que foi levada ao Supremo Tribunal Federal (STF) pela Advocacia-Geral da União (AGU). Argumentando que é papel do Executivo adotar políticas “na seara da política de comércio exterior”, a AGU defendeu que a majoração do imposto sobre exportação, do jeito que foi feita, “não se sujeita à incidência dos princípios da anterioridade anual e nonagesimal, de modo que possibilita a produção de efeitos imediatos”.

Artigos recomendados

A revisão da política de desoneração de combustíveis da Petrobras também foi contemplada na medida provisória, mas é a tributação da exportação de petróleo cru que tem gerado mais controvérsia e discussão no campo político e jurídico.

Os argumentos das empresas

As empresas de exploração de petróleo têm argumentado que a tributação da exportação de petróleo cru foi feita sem a devida consulta ao Conselho Nacional de Política Energética (CNPE), que, segundo a Constituição, é responsável por formular a política energética nacional. Essa consulta prévia é, segundo as empresas, um requisito para a edição de atos normativos que afetem o setor de petróleo e gás.

Além disso, as empresas alegam que a medida provisória foi elaborada sem a observância dos princípios da segurança jurídica, da proteção da confiança e da isonomia tributária.

O governo, por outro lado, argumenta que não foi necessária a consulta prévia ao CNPE porque a decisão de tributar a exportação de petróleo cru é uma medida relacionada à política de comércio exterior e, portanto, de competência exclusiva do Executivo.

Os impactos da tributação

A tributação da exportação de petróleo cru pode ter impactos significativos no setor de petróleo e gás, especialmente porque o Brasil é um grande produtor e exportador de petróleo. Além disso, a medida pode afetar as relações comerciais do Brasil com outros países, especialmente aqueles que importam petróleo brasileiro.

O papel do STF

Cabe ao Supremo Tribunal Federal decidir sobre a legalidade da tributação da exportação de petróleo cru. As empresas de exploração de petróleo que abriram as ações contra o governo federal esperam que o STF declare a medida provisória inconstitucional.
Enquanto isso, a tributação continua em vigor, e as empresas de petróleo e gás continuam a exportar petróleo cru, mas com o encargo adicional do imposto de exportação. A batalha jurídica em torno da medida provisória promete se estender ao longo dos próximos meses, e é um dos muitos desafios que o governo federal enfrenta em relação à economia brasileira.


Você quer receber apenas notícias e vagas de emprego do seu interesse? A solução chegou através do app CPG VAGAS E NOTÍCIAS! Se você é pintor, vai receber no seu celular apenas oportunidades neste cargo. E será assim com pedreiro, técnico, engenheiro e etc..... Não perca nada do que acontece no mercado de trabalho e econômico do Brasil, baixe agora o app CPG VAGAS E NOTÍCIAS, disponível para Android e IOS!

APP CPG VAGAS E NOTÍCIAS

Relacionados
Mais recentes
COMPARTILHAR
BANNER POPUP CPG VAGAS E NOTICIAS 2 Fechar