Ex presidente da Petrobras denuncia Lula em esquema de propina em estaleiros

Ex presidente da Petrobras denuncia Lula em esquema de propina em estaleiros

agosto 6, 2018 Off Por Paulo Nogueira

Em depoimento ao Juiz Sergio Moro, Renato Duque diz que Lula, Dirceu e PT recebiam propinas em estaleiros da Sete Brasil em troca de favorecimento de contratos

Renato Duque, ex-diretor da Petrobras reiterou ao Juiz Sergio Moro na última sexta feira(4), que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, o ex-ministro  José Dirceu e o PT( Partido dos Trabalhadores) compartilhavam 2/3 em propinas acumuladas de unidades de exploração e construção de petróleo do pré-sal, ao qual a Sete Brasil detinha estes contratos. Duque disse que o Ex Tesoureiro, João Vaccari Neto do PT era quem passava os acertos.

De acordo com o ex-diretor, que foi vinha se mantendo no função por indicação do PT, assim como Dirceu, a porcentagem da da propina ficava na “CASA”, termo utilizado para indicar que o dinheiro ilícito ficava para os funcionários de alto escalão da Petrobras e da Sete Brasil, o outro lote de propinas ficariam com Lula, Dirceu e o PT, de acordo com Duque. Todo este montante foi administrado pelas empresas Odebrecht, OAS e UTC através de seus estaleiros.

Sem saída e como única possibilidade de amortizar sua pena de mais 40 anos de prisão deferidos pela Operação Lava Jato, Renato Duque agora colabora com a Justiça e começa a revelar todo esquema. Ele disse a moro que todos os estaleiros que pagavam e estavam de acordo.

Duque ainda reforça que o ex-ministro da Casa Civil e Fazenda, Antonio Palocci, tinha a responsabilidade de indicar e destinar o dinheiro distribuído. Os contratos de unidades offshore firmados depois a partir de 2011 somavam-se em 20 bilhões de dólares com propinas de 1%.

Nota: Vale ressaltar que o artigo é de informação, e não de opinião. Suas preferências políticas ou partidárias não são relevantes para este canal, nosso objetivo é levar conteúdo do ramo de energia, petróleo e gás do Brasil, sendo algo que vocês concordem ou não. 

O ex-diretor de Serviços da Petrobras Renato Duque (Márcia Foletto/Agência o Globo)