1. Início
  2. / Automotivo
  3. / BMW criou um maravilhoso V16 em 1987 e considerou que era demasiado fera para as ruas
Tempo de leitura 6 min de leitura Comentários 0 comentários

BMW criou um maravilhoso V16 em 1987 e considerou que era demasiado fera para as ruas

Escrito por Noel Budeguer
Publicado em 30/03/2024 às 12:20
bmw - motor -
BMW V16: a maravilha de 1987 que era ‘demais para as ruas’. Saiba mais sobre este motor exclusivo que quase mudou a indústria

BMW V16: a maravilha de 1987 que era ‘demais para as ruas’. Saiba mais sobre este motor exclusivo que quase mudou a indústria

Emocionante e absurdo ao mesmo tempo. Tão impressionante quanto desnecessário. Foi assim o projeto em que a BMW embarcou no final dos anos oitenta para iniciar o projeto de um V16.

Uma aventura na qual, por mais inesperado que pareça, nos tempos atuais em que o elétrico predomina, a Bugatti também acaba de embarcar.

O V16 da BMW que quase ninguém conhece

Seria na véspera de Natal de 1987, há quase 37 anos, o momento em que Adolf Fischer ligou pela primeira vez este motor de dezesseis cilindros em um banco de testes. Fischer era engenheiro e motorista da BMW. Naquela época, ele se tornou líder, e único membro, de um departamento apócrifo, embora de fato, ao qual a marca delegava alguns de seus projetos mais loucos.

Fischer cumpriu assim sua promessa. Quando seu chefe, Dr. Karlheinz Lange, pediu-lhe, em julho daquele mesmo ano, para realizar este projeto, prometeu que encontraria “o motor sob sua árvore de Natal”. E assim foi, o motor estaria pronto em menos de seis meses. O que hoje podemos adiantar é que este abeto tinha que ser realmente grande para acomodar sob seus ramos este motor, que exigiu transformações muito radicais para que o E32 que o montou fosse minimamente funcional.

A BMW propôs uma ideia muito radical, criar um motor V16 e instalá-lo em sua berlina de luxo, o que exigiu transformações significativas para fazer espaço para este motor sob o capô do E32.

O Sete Secreto, um E32 com 16 cilindros

Durante muito tempo acreditou-se que era um mito, ou uma simples ocorrência que nunca se materializou, mas o Sete Secreto existiu e, por seu característico acabamento de pintura exterior, ficou conhecido como Goldfisch, em alemão literalmente peixe dourado, que é como também se referem em outros idiomas, incluindo o inglês, ao falar dos peixes dourados. O Sete Secreto ainda existe. E é um Série 7 de segunda geração e longa distância entre eixos que não só se diferencia pelo seu acabamento exterior, mas também por umas enormes brânquias que se projetam de suas aletas traseiras.

A BMW criaria uma das berlinas desportivas mais espetaculares já vistas, cujo coração seria um motor V16. Isso mesmo. Um motor de dezesseis cilindros em V, que nem sequer podia ser acomodado, naturalmente, no BMW Série 7 E32 para o qual foi projetado, para criar um Série “767 iL” do qual já falamos em alguma ocasião.

Quando Fischer, responsável pelo motor, e Hanns-Peter Weisbarth, responsável pelo projeto, acomodaram o motor de dezesseis cilindros no E32, descobriram, certamente como já haviam imaginado antes, que o bloco que haviam projetado ocupava todo o espaço disponível sob o capô. E que nem mesmo teriam espaço para instalar um radiador convencional. Assim, decidiram transferi-lo para o porta-malas.

O enorme motor V16 ocupava todo o espaço disponível no compartimento do motor, o que exigiu a transferência do radiador para o porta-malas.

Fischer posando ao lado do BMW Série 7 e seu motor V16

Dois motores V12 para fazer um V16

Mas voltemos à história deste motor. Como você projetaria um motor de dezesseis cilindros do zero? Unindo dois motores de oito cilindros em linha formando um ângulo? Dois motores de oito cilindros em V, um após o outro? Fischer optou por usar dois motores M70 V12, como os que já eram usados neste BMW Série 7.

Diz-se que a BMW decidiu, no final do desenvolvimento do E32, alargar um pouco mais esta berlina de luxo, para melhorar sua estabilidade, mas principalmente para fazer espaço para um motor de doze cilindros com o qual esperavam superar a Mercedes-Benz. E assim fizeram. O que naquele momento ainda não haviam imaginado é que pelos oficinas da BMW algum dia rodaria um Série 7 com um motor V16.

Fischer uniria um V12 cortado, com quatro cilindros, a um V12, para formar este novo V16, que era 30 centímetros mais longo que o V12 original. O que já nos pode levar a entender por que não podia ser acomodado naturalmente no compartimento.

O motor V16 criado pela BMW partia de dois motores V12.

Um motor potente e muito sonoro

Dos 4.988 centímetros cúbicos do V12 passaria para 6.651 centímetros cúbicos. A potência aumentaria dos 300 CV a 5.200 rpm para 408 CV a 5.200 rpm. E o torque máximo de 450 Nm a 4.100 rpm para 625 Nm a 3.900 rpm. Sua massa também aumentaria em 60 quilogramas. Este BMW Série 7 tinha que carregar consigo um motor de 310 quilogramas.

Como transmissão, a BMW escolheu uma caixa manual de seis velocidades, em vez de uma caixa de câmbio automática ZF de quatro. Não havia razões especiais para combinar este motor com uma caixa manual, além de ser a caixa que tinham disponível naquele momento, e que agilizava todo o processo, e que permitiria a Fischer explorar melhor as características deste motor.

Fischer confessaria anos mais tarde, conforme publicado pela BMW Car em 2009, que teve a oportunidade de testar este Série 7 V16 no circuito austríaco de Norisring, onde o que mais o impressionou foi seu som a partir de 4.500 rpm. Especialmente em uma primeira iteração de seu desenvolvimento na qual ainda não dispunha de um escape completo.

Como não havia espaço para o radiador sob o capô, optaram por transferi-lo para o porta-malas, e instalar duas características brânquias nas aletas traseiras.

Pelas suas brânquias o reconhecerás

Tão impressionante quanto o motor de dezesseis cilindros, o trabalho que teve de ser realizado sobre o E32 para acomodá-lo sob o capô e que fosse funcional. Já lhes contávamos como a BMW não teve outra escolha senão transferir o radiador da frente, onde não havia espaço para ele por seus 30 centímetros de comprimento extra sobre o V12, para o porta-malas, usando dois radiadores menores que tomavam ar fresco por duas enormes brânquias de fibra de vidro que se projetavam das aletas traseiras.

Esta modificação exigia dizer adeus ao porta-malas. Também usar lanternas traseiras menores que não dispunham nem de iluminação antineblina, nem tampouco de marcha à ré. Também seria instalada uma grade, de lado a lado, pela qual aliviariam o ar quente os ventiladores elétricos.

Para montar o motor V16 neste carro teve de se prescindir do porta-malas.

Seus consumos tão altos quanto suas prestações

As cifras deste BMW Série 7, como já deve ter imaginado, eram espetaculares para a época. Acelerava de 0 a 100 km/h em 6,0 segundos e alcançava uma velocidade máxima de 281 km/h, muito mais dos 250 km/h aos quais teria sido limitado caso tivesse chegado à produção.

Mas seus consumos dizem que eram infernais. Na cidade podia consumir 16,8 litros/100 quilômetros, consumos moderados para os que faria em velocidade de cruzeiro na Autobahn a 190 km/h, onde poderiam elevar-se até 20 litros/100 quilômetros.

Em cruzeiros mais razoáveis, a 120 km/h, podia consumir cerca de 11,8 litros/100 quilômetros. Fischer e Weisbarth reconheceriam muito tempo depois que aquele V16 estava pronto para ser produzido e comercializado. E que em algum momento a BMW considerou fazê-lo. Algumas fontes (Auto Motor Und Sport) apontam uma teoria que para mim não convence totalmente, de que a BMW teria descartado produzi-lo para evitar uma escalada de potência com a Mercedes-Benz. O único que sabemos é que, infelizmente, a decisão final de produzi-lo nunca chegaria a ser tomada. E o BMW Série 7 E32 V16 ficaria como um protótipo que a BMW ainda conserva, isso sim, em sua coleção de clássicos.

Quase quatro décadas depois, a Bugatti embarcou em um projeto para levar às ruas um monstruoso V16, isso sim, para um hipercarro que só será alcançável para muito poucos bolsos.

Inscreva-se
Notificar de
guest
0 Comentários
Feedbacks
Visualizar todos comentários
Tags
Noel Budeguer

De nacionalidade argentina, sou redator de notícias e especialista na área. Abordo temas como ciência, petróleo, gás, tecnologia, indústria automotiva, energias renováveis e todas as tendências no mercado de trabalho.

Compartilhar em aplicativos
0
Adoraríamos sua opnião sobre esse assunto, comente!x