Início Brasil pode deixar de ser dependente dos fertilizantes da Rússia com plano anunciado pelo Ministério da Agricultura

Brasil pode deixar de ser dependente dos fertilizantes da Rússia com plano anunciado pelo Ministério da Agricultura

4 de março de 2022 às 17:56
Compartilhe
Siga-nos no Google News
Brasil pode deixar de ser dependente dos fertilizantes da Rússia com plano anunciado pelo Ministério da Agricultura
Imagem: MyFarmvia Google

O presidente Jair Bolsonaro tem mantido uma posição neutra em relação à guerra entre Ucrânia e Rússia devido à dependência de fertilizantes que o Brasil tem dos russos.

Muito tem se cobrado uma posição do chefe do Executivo sobre a guerra envolvendo Ucrânia e Rússia, porém a postura neutra acontece por conta da relação de negócios que o Brasil tem com os russos, responsáveis por 23% do insumo usado pelos agricultores brasileiros para aumentar a produtividade do solo. Nessa quinta-feira (03), a Ministra da Agricultura, Tereza Cristina, anunciou um programa que pode acabar com a dependência dos fertilizantes do país europeu que atualmente invade o território ucraniano.

Veja também

O anúncio do plano nacional de fertilizantes do Governo aconteceu durante uma transmissão ao vivo do presidente Jair Bolsonaro nas redes sociais. Afinal, o assunto sobre importação do produto não poderia deixar de ser tratado neste momento.

Aos 16:50 minutos, a ministra Tereza Cristina da situação dos fertilizantes e em seguida do plano nacional

Os fertilizantes importados dos russos, sobretudo o nitrogênio, fósforo e o potássio, são fortemente utilizados no setor agrícola do Brasil. Cerca de 80% desses produtos vêm da Rússia e da Bielorússia.

Trabalhe no Setor Eólico do Brasil

Porém, o momento de estado de guerra vivido no leste europeu tem gerado sanções econômicas aplicadas contra russos e bielorrussos. E isso tem dificultado o governo em conseguir trazer os fertilizantes para o Brasil.

A promessa de Tereza Cristina é de que o plano nacional de fertilizantes seja apresentado em cerimônia no Palácio do Planalto ainda no final de março. Segunda ela, o programa já está pronto.

“O Brasil, no passado, não fez um programa nacional para a produção própria de fertilizantes. Fizemos uma opção errada, lá atrás, de ficarmos importando nitrogênio, fósforo e potássio”, disse Tereza Cristina ao salientar o programa de fertilizantes.

Ao todo, o Brasil importa mais de 80% dos fertilizantes utilizados na produção agrícola. E segundo o banco Itaú BBA, desse total, 20% são de nitrogenados, 28% de potássicos e 15% dos fosfatados.

Guerra não tem dia para acabar. Será que o Brasil ainda tem fertilizantes suficiente?

A ministra da Agricultura Tereza Cristina afirma que o estoque de fertilizantes está garantido até outubro mesmo com atual momento de guerra envolvendo a Rússia, principal fornecedora dos insumos.

A safrinha de milho já está em produção. No entanto, no final de setembro e outubro vem o período da safra de verão. E essa sim causa preocupação. “O que precisava de fertilizante já chegou, já está com o produtor rural. A safra de verão é uma preocupação”, disse Tereza numa coletiva de Imprensa na quarta-feira (02).

Em meio a toda essa crise global, a ministra deve negociar os fertilizantes com os canadenses. O impacto ao consumidor final vai depender do tempo da guerra no leste europeu. Sem esses produtos, o preço dos alimentos pode disparar… se já não bastava a inflação já vivida.

Venda da fábrica de fertilizantes do MS pode atrapalhar planos da Petrobras?

A Petrobras vendeu a unidade de Fertilizantes Nitrogenados (UFN3), localizada em Três Corações, no Mato Grosso do Sul, ao grupo empresarial russo Acron. A expectativa de Bolsonaro é de que a negociação seja efetivada até o meio do ano. Porém, com uma guerra em andamento envolvendo a Rússia, fica dúvida se a venda realmente irá ser efetivada.

A fábrica de fertilizantes foi paralisada em dezembro de 2014. Em fevereiro de 2017, a Petrobras anunciou a venda da unidade como plano de sanar as perdas financeiras que hoje já somam cerca de R$ 3,8 bilhões. Na época, houve também a alegação de que não havia mais interesse da Petrobras no setor de fertilizantes.

Relacionados
Mais recentes