1. Início
  2. / Geopolítica
  3. / A marinha dos EUA não consegue construir mais navios e o motivo chega a ser surreal!
Tempo de leitura 3 min de leitura Comentários 0 comentários

A marinha dos EUA não consegue construir mais navios e o motivo chega a ser surreal!

Escrito por Roberta Souza
Publicado em 21/05/2024 às 14:01
navios - eua - china - marinha
Foto: IA/Representação

Por conta de crise desde a guerra fria, EUA sofre na defesa nacional e perde corrida naval contra a China: para se recuperar, vai demorar décadas!

De acordo com ocafezinho, a competição naval entre os Estados Unidos e a China está se intensificando, e a Marinha dos EUA enfrenta desafios significativos na construção de navios de guerra. Enquanto a frota chinesa cresce exponencialmente, os EUA lutam para manter o ritmo. Vamos explorar os fatores por trás dessa disparidade e como aliados estratégicos podem ajudar a equilibrar a balança.

A marinha dos EUA em desvantagem

A Marinha dos EUA, embora ainda uma das mais poderosas do mundo, está ficando para trás em relação à China. Atualmente, a China possui cerca de 340 navios de guerra, enquanto os EUA têm menos de 300. A previsão é que a frota chinesa alcance 400 embarcações nos próximos dois anos, enquanto os EUA levarão até 2045 para atingir 350. Essa diferença numérica é preocupante, especialmente considerando a crescente agressão chinesa no Mar da China Meridional e ao redor de Taiwan.

navios - eua - china - marinha
Foto: IA/Representação

O desafio da construção naval

Os estaleiros americanos enfrentam dificuldades em acompanhar o ritmo chinês na construção de navios. Alguns especialistas estimam que a China pode construir três navios de guerra no tempo que os EUA levam para fabricar apenas um. A terceirização da construção naval dos EUA poderia ser uma solução, mas a lei atual impede a Marinha de comprar navios construídos por outros países, mesmo aliados. No entanto, há uma oportunidade: aliados como Coreia do Sul e Japão estão produzindo equipamentos navais de alta qualidade e acessíveis. Por que não unir forças com eles para superar a China?

Erros que levaram os EUA à atual situação na construção naval

  • Desindustrialização e cortes orçamentais: A desindustrialização após a Guerra Fria e os cortes orçamentais prejudicaram drasticamente a produção de defesa dos EUA. A base industrial da defesa ainda luta para se recuperar, afetando a capacidade de construção naval.
  • Escassez de mão-de-obra e falta de soldadores: A falta de trabalhadores qualificados, especialmente soldadores, é uma barreira significativa para expandir a produção naval. A indústria enfrenta dificuldades em atrair talentos, perdendo para setores como restaurantes de fast food que oferecem melhores salários e benefícios para iniciantes.
navios - eua - china - marinha
Foto: IA/Representação

Perspectivas e desafios futuros

A reconstrução da capacidade naval dos EUA é um projeto geracional. Embora o Programa de Otimização da Infraestrutura de Estaleiros esteja em andamento, ele não será suficiente para competir com a China. Seria necessário um esforço semelhante ao pós-Primeira Guerra Mundial para expandir a base industrial e produzir navios de guerra em grande escala. A China, com sua vasta capacidade de construção naval, representa um desafio significativo para os EUA no cenário global.

Aliados estratégicos e a solução potencial

Os navios de guerra japoneses e sul-coreanos são altamente conceituados. Os projetistas desses países estão entre os melhores do mundo. Dado que ambos têm tratados de defesa mútua com os EUA, uma colaboração estratégica poderia nivelar o campo de jogo. A compra de navios desses aliados ou a construção conjunta de embarcações concebidas pelos EUA em seus estaleiros poderia ser uma alternativa econômica e eficaz para diminuir a diferença com a China.

navios - eua - china - marinha
Foto: IA/Representação

Rumo a uma frota equilibrada

A Marinha dos EUA enfrenta um desafio crucial na era da ascensão naval chinesa. A colaboração com aliados estratégicos e a exploração de soluções inovadoras podem ajudar a garantir que os EUA mantenham sua posição como uma força naval global. O futuro da segurança marítima depende de como enfrentaremos esses desafios e aproveitaremos as oportunidades para fortalecer nossa frota.

Inscreva-se
Notificar de
guest
0 Comentários
Feedbacks
Visualizar todos comentários
Roberta Souza

Engenheira de Petróleo, pós-graduada em Comissionamento de Unidades Industriais, especialista em Corrosão Industrial. Entre em contato para sugestão de pauta, divulgação de vagas de emprego ou proposta de publicidade em nosso portal. Não recebemos currículos

Compartilhar em aplicativos
0
Adoraríamos sua opnião sobre esse assunto, comente!x