MENU
Menu
Início Transição energética: EDP investirá € 24 bilhões em fontes renováveis para geração de energia elétrica, até 2025

Transição energética: EDP investirá € 24 bilhões em fontes renováveis para geração de energia elétrica, até 2025

31/08/2022 às 21:53
Compartilhe
Compartilhar no WhatsApp
Compartilhar no Facebook
Compartilhar no LinkedIn
Compartilhar no Telegram
Compartilhar no Twitter
Compartilhar no E-mail
Siga-nos no Google News
Transição energética, energia, renováveis
Foto: reprodução pixabay.com

Além do investimento na transição energética para fontes renováveis para gerar energia, a EDP também investiu em uma nova identidade visual

A EDP, empresa fundada em Portugal há quatro décadas, é atualmente um player mundial em geração, transmissão, distribuição e comercialização de energia elétrica. No Brasil, a empresa representa a segunda maior operação do grupo. Com cotidianos cada vez mais sustentáveis e com as empresas cada vez mais adotando alternativas renováveis, a EDP decidiu investir na transição energética e também na circularidade da natureza, do próprio planeta e das diversas fontes de energia renovável, incluindo o sol, o vento e a água, para compor o desenho de sua nova identidade visual.

A nova logomarca da empresa significa o compromisso da EDP de duplicar a capacidade de geração de energias renováveis até o ano de 2025, sendo essa transição energética para fontes renováveis resultado do investimento de € 24 bilhões em novas alternativas de energia, para adicionar 20 GW de fontes renováveis ao portfólio de energia da empresa, dos quais cerca de metade já está assegurada.

Artigos recomendados

A empresa possui como objetivo ser neutra em carvão até o ano de 2025 e 100% verde até 2030, contribuindo com a descarbonização da economia global. A EDP está bem encaminhada para cumprir esta missão de transição energética para energias renováveis, uma vez que a empresa está entre os top 3 utilities mais verdes da Europa e já é o quarto maior produtor de energia eólica dos Estados Unidos.

“Sem mudanças estruturais na maneira como vivemos, nos locomovemos e consumimos, será impossível controlar o aumento da temperatura no planeta”, comenta Miguel Stilwell de Andrade, CEO global da EDP. “E nós escolhemos contribuir por meio de uma transição energética justa, adotando fontes renováveis para geração de energia, sem deixar ninguém para trás”, destaca.

Investimento em fontes renováveis

O potencial para uma transição energética do Brasil é enorme, considerando que o país recebe em torno de 2.200 horas anuais de insolação. E a menor irradiação solar incidente, aproximadamente 1.500 Wh/m², é comparável à maior de países europeus, como a Alemanha (1.250 Wh/m²). O que torna ainda mais compreensível que a transição energética para geração solar seja um dos pilares estratégicos para o crescimento da EDP no Brasil, através das empresas EDP Brasil e da EDP Renováveis.

A empresa EDP Brasil atua nos segmentos de geração, transmissão, comercialização e distribuição de energia elétrica. Para o período de 2021 até 2025, a empresa deve aportar R$ 10 bilhões no país, sendo R$ 3 bilhões apenas investidos na transição energética para geração de energia solar. A meta é chegar a 1 GW em solar até 2025. Já a EDP Renováveis, que atua no desenvolvimento, construção, operação e manutenção de ativos eólicos e solares, tem uma capacidade instalada de 1.375 MW, sendo 795 MW em operação e outros 580 MW em construção.

Parcerias das empresas da EDP no Brasil

Ambas as empresas da EDP vem se apoiando grandemente nos projetos de complementaridade de suas expertises para implementar nos seus projetos em parceria, como é o caso da transição energética para fontes renováveis e das usinas solares de grande porte Novo Oriente, que tem uma capacidade instalada de 254 MWac, e Monte Verde, com 209 MWac. O plano da EDP é manter a média de anunciar duas usinas solares de grande porte, anualmente, até o ano de 2025.

Para mais, a aposta em projetos como o de transição energética é estratégica para a empresa. “Na próxima década, nossa indústria terá de mudar mais do que nunca”, afirma Stilwell. “A resposta às alterações climáticas exige objetivos ambiciosos. Na EDP, essa década decisiva já começou”.

Relacionados
Mais recentes
COMPARTILHAR