1. Início
  2. / Indústria
  3. / Trajetória do contratorpedeiro brasileiro Juruá, desde sua construção e serviço na Marinha do Brasil até seus feitos heroicos sob a bandeira britânica
Tempo de leitura 3 min de leitura Comentários 0 comentários

Trajetória do contratorpedeiro brasileiro Juruá, desde sua construção e serviço na Marinha do Brasil até seus feitos heroicos sob a bandeira britânica

Escrito por Rafaela Fabris
Publicado em 18/05/2024 às 16:01
Trajetória do contratorpedeiro brasileiro Juruá, desde sua construção e serviço na Marinha do Brasil até seus feitos heroicos sob a bandeira britânica
Foto: Marinha do Brasil/Divulgação

Saiba como o contratorpedeiro brasileiro Juruá, construído na Grã-Bretanha, teve sua história marcada pela participação na Segunda Guerra Mundial sob a bandeira britânica, e como seus feitos heroicos contribuíram para a história naval.

A história do contratorpedeiro brasileiro Juruá é um capítulo fascinante da Marinha do Brasil. Vamos explorar os eventos que levaram ao desenvolvimento desse e de outros navios da sua classe, e como o Juruá acabou servindo a Marinha Real Britânica durante a Segunda Guerra Mundial.

Nos anos 1930, a Marinha Brasileira enfrentava uma crise. As armadas da Argentina e do Chile já tinham se modernizado, enquanto o Brasil não adquiria novos cruzadores há mais de 20 anos e novos contratorpedeiros há mais de uma década. Para modernizar sua frota, o Brasil buscou ajuda dos Estados Unidos e da Grã-Bretanha.

Com o apoio dos Estados Unidos, o Brasil começou a construir três contratorpedeiros

Em 1937, com o apoio dos Estados Unidos, o Brasil começou a construir três contratorpedeiros da classe Marcílio Dias. Paralelamente, negociou com a Grã-Bretanha a compra de seis novos contratorpedeiros, que formariam a classe Juruá, baseada nas classes G e H britânicas. Esses navios seriam: Japurá, Jaguaribe, Juruena, Jutaí, Javari e Juruá.

A construção dos navios começou em 1939, mas com o início da Segunda Guerra Mundial, a Marinha Real Britânica requisitou todos os navios da classe. Para manter boas relações com o Brasil, a Grã-Bretanha pagou pelos navios e ofereceu os projetos, permitindo ao Brasil construir contratorpedeiros da classe Acre.

Contratorpedeiro brasileiro Juruá, renomeado HMS Harvester, foi comissionado em maio de 1940

Os navios da classe Juruá, renomeados para classe Avant, foram construídos até junho de 1940. O Juruá, renomeado HMS Harvester, foi comissionado em maio de 1940. Armado com três canhões de 120 mm, dois lançadores quádruplos de torpedos de 533 mm e oito metralhadoras Vickers de 12,7 mm, o Harvester tinha 1800 toneladas de deslocamento e velocidade máxima de 36 nós.

O HMS Harvester participou da evacuação de Dunkirk, resgatando mais de 2.000 soldados. Em outubro de 1940, junto com o HMS Highlander, afundou o submarino alemão U-32. Modernizado em 1942, recebeu mais armamentos antiaéreos e antisubmarinos, além de um sistema de radar.

Após afundar o U-444, foi atingido e incapacitado pelo U-432

Em março de 1943, enquanto escoltava um comboio para Liverpool, o Harvester enfrentou nove submarinos alemães. Após afundar o U-444, foi atingido e incapacitado pelo U-432, que também foi afundado. Infelizmente, o Harvester foi afundado, resultando na perda de 149 tripulantes.

Apesar de sua perda, a história do contratorpedeiro brasileiro Juruá, também conhecido como HMS Harvester, é um testemunho de bravura e eficiência naval. Seu legado continua a inspirar a Marinha do Brasil e a memória de seus heróicos serviços durante a Segunda Guerra Mundial.

Inscreva-se
Notificar de
guest
0 Comentários
Feedbacks
Visualizar todos comentários
Rafaela Fabris

Fala sobre inovação, energia renováveis, petróleo e gás. Atualiza diariamente sobre oportunidades no mercado de trabalho brasileiro.

Compartilhar em aplicativos
0
Adoraríamos sua opnião sobre esse assunto, comente!x