MENU
Menu
Início Petrobrás avalia reestatização da refinaria Landulpho Alves

Petrobrás avalia reestatização da refinaria Landulpho Alves

26 de fevereiro de 2024 às 15:21
Compartilhe
Compartilhar no WhatsApp
Compartilhar no Facebook
Compartilhar no LinkedIn
Compartilhar no Telegram
Compartilhar no Twitter
Compartilhar no E-mail
Siga-nos no Google News
Petrobrás reestatização da Rlam
Foto: https://monitormercantil.com.br/petrobras-discute-internamente-

Discussões internas sinalizam possível retorno ao controle estatal

Em uma movimentação que vem gerando expectativa entre os trabalhadores do setor petrolífero, a Petrobrás iniciou discussões internas sobre a possibilidade de reestatizar a refinaria Landulpho Alves (Rlam), localizada na Bahia. Este diálogo, ainda em estágios preliminares, reflete o engajamento da empresa em revisitar suas estratégias de negócios, especialmente no que tange ao controle de suas operações refinarias.

Diálogo aberto com representantes dos petroleiros

A iniciativa de revisão sobre o controle da Rlam, agora conhecida como Refinaria de Mataripe sob a administração do fundo árabe Mubadala, foi comunicada oficialmente à Federação Única dos Petroleiros (FUP) e aos sindicatos afiliados. A Petrobrás, através de um documento, prometeu manter os representantes dos empregados informados e envolvidos nas discussões, respeitando os compromissos previamente estabelecidos sobre o retorno dos empregados que haviam sido transferidos após a privatização da refinaria.

Artigos recomendados

Encontro estratégico para discussão de reestatização

A reunião que deflagrou o comunicado ocorreu com a participação de importantes figuras tanto da FUP quanto da Petrobrás, incluindo a coordenadora do Sindipetro-BA, Elizabete Sacramento, e o gerente executivo de Refino da Petrobrás, Marcos Jeber, entre outros. Esse encontro serviu como um fórum para delinear o atual estágio das negociações e os possíveis impactos de uma reestatização no cotidiano dos trabalhadores envolvidos, tanto os transferidos quanto os atuais empregados da Acelen.

Os temas discutidos abordaram não apenas o processo de retorno dos petroleiros anteriormente deslocados, mas também a situação dos trabalhadores atualmente empregados pela Acelen, enfatizando a complexidade e a necessidade de uma abordagem cuidadosa em cada etapa do processo. A Petrobrás se comprometeu a manter um canal de comunicação aberto, garantindo transparência e participação ativa dos representantes dos trabalhadores nas decisões que afetam diretamente suas vidas profissionais.

Este movimento da Petrobrás e o diálogo em andamento com os petroleiros ressaltam a importância de considerar as implicações humanas e operacionais de decisões estratégicas de negócio. Enquanto a discussão sobre a reestatização da Rlam continua, o setor petrolífero nacional permanece atento aos desdobramentos dessa negociação, que pode marcar um importante capítulo na história da indústria de energia no Brasil.

Fonte:

Imprensa FUP .

Inscreva-se
Notificar de
guest
Seus comentários são moderados antes de serem aprovados ou não! Portanto, estão proibidos os seguintes termos: palavras de baixo calão, ofensas de qualquer natureza e proselitismo político. A infração destas regras ocasionará na impossibilidade de comentar e até mesmo exclusão de seu cadastro. Seus comentários, perfil e atividades são vistos por MILHÕES DE PESSOAS, então aproveite esta janela de oportunidades e faça seu cadastro aqui ou faça login com suas redes sociais.
0 Comentários
Feedbacks
Visualizar todos comentários
Relacionados
Mais recentes
COMPARTILHAR
0
Adoraríamos sua opnião sobre esse assunto, comente!x