Menu
Início Minibateria menor que uma MOEDA gera energia por mais de 50 anos: A inovação NUCLEAR da China promete revolucionar o planeta em uso de celulares, drones e micro robôs!

Minibateria menor que uma MOEDA gera energia por mais de 50 anos: A inovação NUCLEAR da China promete revolucionar o planeta em uso de celulares, drones e micro robôs!

15 de maio de 2024 às 15:15
Compartilhe
Compartilhar no WhatsApp
Compartilhar no Facebook
Compartilhar no LinkedIn
Compartilhar no Telegram
Compartilhar no Twitter
Compartilhar no E-mail
Siga-nos no Google News
betavolt - energia nuclear - china - bateria
foto/reprodução: tempo.com

Inovação da Betavolt na China pode acabar com a dependência de recargas frequentes: Já se imaginou usar um celular sem nunca precisar recarregar ?

Em um mundo onde a tecnologia é uma extensão de nós mesmos, a autonomia energética tornou-se um dos desafios mais prementes. A Betavolt, uma startup chinesa, surge como protagonista nessa narrativa ao desenvolver uma minibateria nuclear que promete revolucionar o mercado. Com dimensões minúsculas de 15 x 15 x 5 mm, essa fonte de energia oferece uma saída de 100 microwatts a 3 volts por um período estonteante de 50 anos.

Energia que flui sem interrupções

A empresa batizou a Betavolt BV100 como um marco na história da energia nuclear, destacando que é a primeira vez que a potência atômica se condensa em tamanho tão reduzido. Informa também que a bateria, atualmente em fase de testes piloto, em breve poderá entrar em produção em massa para dispositivos como smartphones e drones.

Artigos recomendados

Avanço tecnológico e sustentabilidade

Além de sua longevidade, a minibateria nuclear da Betavolt destaca-se por sua segurança e sustentabilidade. Ao final de seu ciclo de vida, o isótopo de níquel-63 se transforma em um isótopo estável de cobre, não radioativo e inofensivo ao meio ambiente. Isso elimina a necessidade de processos de reciclagem dispendiosos, diferenciando-a das baterias químicas tradicionais.

betavolt - energia nuclear -
foto/reprodução: blogcanaldaengenharia

A era das minibaterias atômicas

A minibateria nuclear funciona através da conversão da energia liberada pela desintegração dos isótopos nucleares em eletricidade. Este processo, explorado durante a Guerra Fria, agora é aplicado em uma escala muito menor e com eficiência aprimorada. A densidade energética da bateria atômica é dez vezes maior que a das baterias de lítio, armazenando 3.300 megawatts-hora em apenas 1 grama.

Desafios da energia nuclear: Segurança e gestão de riscos

Apesar dos avanços significativos, a energia nuclear ainda carrega riscos inerentes que não podem ser ignorados. A Betavolt, embora pioneira na China com sua minibateria nuclear, deve navegar cuidadosamente as águas da segurança atômica. Pois a gestão de resíduos radioativos, o potencial de contaminação e os desafios de segurança são aspectos críticos que exigem atenção constante. No entanto, rigorosos protocolos de segurança devem acompanhar a transição para essa nova era energética, garantindo que possíveis ameaças não ofusquem os benefícios da bateria nuclear.

betavolt - energia nuclear - china - bateria
foto/reprodução: tempo.com

China na vanguarda da inovação

Portanto, a China reafirma sua posição como líder em inovação tecnológica com a Betavolt. Esta nova bateria não só promete uma revolução na maneira como alimentamos nossos dispositivos, mas também na forma como pensamos sobre energia e sustentabilidade. Assim, a Betavolt BV100 se torna um passo gigantesco rumo a um futuro onde a preocupação com a carga do celular ou a autonomia de drones será coisa do passado.

Inscreva-se
Notificar de
guest
0 Comentários
Feedbacks
Visualizar todos comentários
Relacionados
Mais recentes
COMPARTILHAR
0
Adoraríamos sua opnião sobre esse assunto, comente!x