Investimento de 200 milhões em novo terminal da Raízen, no Maranhão, promete desafiar refinarias

O mais novo terminal da empresa Raízen no estado do Maranhão promete desfiar as demais refinarias O mais novo terminal da empresa Raízen no estado do Maranhão promete desfiar as demais refinarias

O terminal foi inaugurado durante a pandemia a cerca de dois meses, no Porto de Itaqui, em São Luís no Maranhão

Executivos da companhia Reuters disseram na quinta-feira que, a empresa Raízen começou a receber navios de combustível e o projeto expandirá as importações de diesel do país e a distribuição de produtos para o norte e nordeste. O mais novo terminal tem um investimento em cerca de 200 milhões de reais, pode movimentar 1,5 bilhões de litros de combustível anualmente e é capaz de armazenar até 80 milhões de litros de combustível. Além disso, está conectado a ferrovias, o que garante que a empresa também possa transportar etanol e biodiesel de baixo custo do Centro-Oeste.

Veja ainda outras notícias:

Idealizado a partir do momento em que a Petrobras começou a implementar os preços de mercado dos produtos petrolíferos brasileiros há alguns anos, o terminal prometeu efetivamente “desafiar”, mesmo depois que algumas dessas refinarias se tornassem controladas pelo setor privado. Para Nilton Gabardo, o diretor de Desenvolvimento de Negócios e Infraestrutura da Raízen, o que prevalece no mercado de combustíveis é “corrida de redução de custo”, o que é a essência do terminal.

“Quando se trabalha com custos eficientes, acaba desafiando mais os refinadores… a primeira coisa é ter capacidade, aí você pode acessar as opções… O mercado brasileiro de modo geral não tem infraestrutura para bancar competição de alto nível com as refinarias, e essa capacidade da Raízen vai permitir isso…”, disse Nilton.

A empresa disse à Reuters que, com os ativos, a Raízen ampliará a concorrência com a BR Distribuidora que tem sede em São Luís, e também deve realizar armazenamento no terminal de Tequimar. A subsidiária da Petrobras, Transpetro, também possui um terminal no porto.

Segundo a Raízen, a longo prazo, esse grupo de terminais e bases de distribuição são os ativos mais eficiente da empresa, operando grandes composições ferroviárias conectadas pela malha ferroviária da Ferrovia Centro-Atlântica, além da Ferrovia Norte-Sul.

“Essa é a materialização da Raízen como player que acredita no diferencial de alta performance, traz resiliência para o negócio, traz opões para a gente, sejam elas da importação, cabotagem, saída do etanol (exportação), importação de etanol, biodiesel, temos falado que é um terminal flex, essa característica é bastante importante”, disse o Antonio Simões, que é VP de Logística, Distribuição e Energia da Raízen.

Segundo a Reuters, o porto de Itaqui registrou um aumento de 7% no tráfego este ano, impulsionado principalmente pelo transporte de soja, o que mostra principalmente que a força do agronegócio, o que foi menos afetado na pandemia da Covid-19. Com relação ao impacto da pandemia no mercado de combustíveis, Simões apontou que a empresa começou a retomar as vendas, principalmente com diesel.

“O diesel retornou até um pouco mais rápido que o imaginado para patamares parecidos…, muito impulsionado por boa safra, o agronegócio não teve grandes impactos, isso está se refletindo em retomada de volume de diesel”, disse Antonio, considerando que a gasolina e o etanol ainda dependem da reabertura das grandes cidades.

Tags:
Roberta Souza
Engenheira de Petróleo, pós-graduanda em Comissionamento de Unidades Industriais, especialista em Corrosão Industrial. Entre em contato para sugestão de pauta, divulgação de vagas de emprego ou proposta de publicidade em nosso portal. Não recebemos currículos