Exportação de petróleo e derivados do Brasil bate recorde

Paulo Nogueira
por
-
11-09-2020 10:09:42
em Petróleo, Óleo e Gás
Navio exportações petróleo Brasil

Após uma forte queda em maio, a produção de petróleo se recuperou em julho , totalizando 3,08Mb / d, alta de 11% em relação ao ano anterior

Embora a pandemia COVID-19 tenha atingido duramente a economia do Brasil, as exportações de petróleo registraram números recordes. Segundo os últimos dados do regulador ANP , entre janeiro e julho, o país exportou 316Mb (milhões de barris), ou 1,5Mb / d, um aumento de 37% em relação ao mesmo período de 2019, que já foi um ano recorde para as exportações de petróleo.

Devido à queda do preço do petróleo, no entanto, as receitas de exportação de petróleo caíram de US $ 13,9 bilhões para US $ 12,2 bilhões.

As importações de petróleo também caíram, para 34,7Mb (165.000b / d), ou 20,4%, favorecendo a balança comercial do petróleo, graças ao menor consumo em meio às quarentenas para conter a disseminação do coronavírus.

Os gastos com importação de petróleo alcançaram US $ 2 bilhões, em comparação com US $ 3 bilhões em janeiro-julho de 2019. 

Outras Notícias Relacionadas

As exportações de derivados de petróleo foram um recorde de  75,8 MB, um aumento de 53,7%, mas as receitas caíram para US $ 3,48 bilhões em comparação com US $ 3,53 bilhões um ano antes. 

As importações de derivados de óleo totalizaram cerca de 102Mb, queda de 16%, com gastos totais de US $ 4,96 bilhões, ante US $ 7,9 bilhões no mesmo período de 2019. 

A estratégia da China ao petróleo estoque nos primeiros quatro meses do ano, aproveitando o baixo preço do petróleo, é uma das razões para o crescimento das exportações, o coordenador técnico  do s estudos petróleo trategic i NSTITUTO (Ineep) ,  Rodrigo Leão, disse BNamericas .  

“Além disso, a Petrobras tem acordos de exportação com a China e outros países, que garantem a demanda internacional pelo petróleo brasileiro”, acrescentou. A China é o principal importador do petróleo brasileiro. 

O crescimento  em  derivados de petróleo é principalmente devido à vantagem competitiva do Brasil no mercado de óleo bunker de baixo teor de enxofre, cujo uso foi estimulado por uma nova Associação Marítima Internacional (IMO) regulação. 

A vantagem do Brasil vem do óleo “mais doce” vindo das bacias de Santos e Campos.

“Conseguimos converter rapidamente nossas refinarias para o óleo de navegação e a Petrobras fez um bom trabalho na área comercial, encontrando demanda por um novo produto, com o qual não tinha uma ligação histórica, encontrando demanda em Cingapura, por exemplo”, Leão disse.

Leão não vê muito espaço para mais crescimento das exportações, no entanto. “Se a Petrobras conseguir manter o nível atual, já seria um bom desempenho”, disse, considerando que o consumo de petróleo diminuiu na Europa e os EUA continuam precisando de menos importações por conta do gás de xisto e da revolução do tight oil. 

Produção

Após uma forte queda em maio, a produção de petróleo se recuperou em julho , totalizando 3,08Mb / d, alta de 11% em relação ao ano anterior, e se aproximando do nível recorde de janeiro  , quando a produção ultrapassou 3,1Mb / d, segundo dados da ANP.

Tags:
Paulo Nogueira
Com formação técnica, atuei no mercado de óleo e gás offshore por alguns anos. Hoje, eu e minha equipe nos dedicamos a levar informações do setor de energia brasileiro e do mundo, sempre com fontes de credibilidade e atualizadas.