Estudos do projeto da hidrovia Brasil-Uruguai são entregues com novas perspectivas para o transporte de cargas provenientes dos portos de ambos os países

A construção da hidrovia que ligará o Brasil ao Uruguai irá garantir muito mais eficiência no transporte de cargas dentro do setor de portos e, consequentemente, uma expansão ainda maior do segmento após a conclusão do projeto Foto: Ricardo Botelho/MInfra




A construção da hidrovia que ligará o Brasil ao Uruguai irá garantir muito mais eficiência no transporte de cargas dentro do setor de portos e, consequentemente, uma expansão ainda maior do segmento após a conclusão do projeto

Recentemente, os estudos do projeto de construção da hidrovia que ligará o Brasil ao Uruguai foram entregues ao ministro da infraestrutura. Até essa terça-feira, (26/04), acredita-se que o projeto de obras deverá contar com investimentos milionários e irá possibilitar um escoamento e transporte de cargas muito mais eficiente. Além de uma conexão ainda maior entre o setor de portos de ambos os países, garantindo um desenvolvimento mais acelerado do segmento.

Ministério da infraestrutura recebe estudos finais do projeto de construção da hidrovia que ligará o Brasil ao Uruguai para viabilizar o transporte de cargas com mais eficiência entre os países

Durante esta última quinta-feira, o  ministro da Infraestrutura, Marcelo Sampaio, recebeu o projeto das mãos do embaixador do Uruguai, Guilherme Valles, os estudos para o projeto de concessão da Hidrovia da Lagoa Mirim, no Rio Grande do Sul, que será um ponto de encontro entre os dois países e possibilitará uma conexão ainda maior dos portos na região, com uma maior eficiência na logística de operações com as cargas produzidas tanto no Brasil quanto no Uruguai. 

Esse projeto é o primeiro do transporte hidroviário qualificado no Programa de Parcerias de Investimentos e vai garantir tráfego seguro de embarcações e o escoamento de cargas pela região sul do continente sul-americano. Dessa forma, o transporte de cargas se tornará muito mais dinamizado e eficiente, com uma menor burocracia e muito mais rapidez na logística das operações, uma vez que os países estarão ainda mais conectados e poderão realizar as atividades com mais controle do escoamento da produção realizada em ambas as nações. 

Com isso, o ministro Marcelo Sampaio, comentou sobre a necessidade da hidrovia ligando os países e sobre os benefícios para o transporte de cargas com a construção do projeto, afirmando ainda que “O Brasil e o Uruguai têm uma história grande. São mais do que países irmãos. Nós compartilhamos mais de mil quilômetros de fronteira e mantemos um expressivo comércio bilateral da ordem de US$ 3 bilhões por ano. Somos unidos por laços históricos, econômicos e culturais. O que queremos é ver essa hidrovia operando e a região fronteiriça, sobretudo no sudeste gaúcho e no nordeste do Uruguai, prosperando”.

Governo Federal ainda irá analisar estudos para a viabilização do projeto, mas, representantes dos portos brasileiros esperam bons resultados para a construção da hidrovia ao longo dos próximos anos 

Agora, após a entrega dos estudos finais para a construção da hidrovia que ligará os países, o Governo Federal fará uma análise mais profunda dos resultados, além de complementá-los com o apoio da CAF (Banco de desenvolvimento da América Latina) e, ao fim da revisão dos estudos, irá abrir uma consulta pública para recebimento de contribuições da sociedade, para finalizar essas etapas iniciais com a análise prévia do Tribunal de Contas da União (TCU).

Feito isso, os próximos passos serão a elaboração e publicação de edital de concessão pela Agência Nacional de Transportes Aquaviários (Antaq) e, por fim, o agendamento do leilão. Enquanto isso, o governo apenas aguarda o processo e tenta acelerar ao máximo o projeto, uma vez que a hidrovia será essencial para uma logística mais eficiente no transporte de cargas entre os portos da América Latina. 

Além disso, o projeto está estimado em um total de R$ 30 milhões de investimento para a construção e possibilitará o acesso de embarcações uruguaias ao porto de Rio Grande (RS) por meio da conexão hidroviária entre a Lagoa Mirim e a Lagoa dos Patos.

Sites Parceiros

Publicidade




Tags:
Ruth Rodrigues
Formada em Ciências Biológicas pela Universidade do Estado do Rio Grande do Norte (UERN), atua como redatora e divulgadora científica.