Energia com hidrogênio – AES Tietê junto com a Hytron e IATI pesquisam nova forma de geração de energia

Roberta Souza
por
-
23-10-2020 10:44:50
em Energia Renovável
Energia, hidrogênio, AES Tietê AES Tietê

O principal objetivo da pesquisa para gerar energia através do hidrogênio da AES Tietê, é substituir parcialmente o combustível fóssil e diminuir danos do efeito estufa

A empresa AES Tietê, uma das mais eficientes geradoras de energia elétrica do Brasil, junto com a Hytron, empresa de base tecnológica e inovação e o IATI – Instituto Avançado de Tecnologia e Informação, estão em um projeto de pesquisa com o objetivo de gerar energia através do hidrogênio. A parceria tem como principais objetivos substituir o combustível fóssil e diminuir consideravelmente as emissões atuais de gases de efeito estufa.

Veja ainda outras notícias do dia:

Para tanto, será desenvolvido um kit de adaptação para a utilização de hidrogênio no GMG e um eletrolisador nacional, que tornará o custo de produção do hidrogênio comparável ao do diesel.

Julia Rodrigues, coordenadora de P&D e Inovação da AES Tietê, diz que “O projeto visa substituir parcialmente o combustível fóssil e diminuir consideravelmente as emissões atuais de gases de efeito estufa. Hoje, é comum a utilização de sistemas de GMG a diesel principalmente como backup de energia, em horários de pico, zonas rurais e, também, em sistemas isolados, gerando impacto ambiental muito alto”.

Para viabilizar este projeto, a Hytron está desenvolvendo um eletrolisador de baixo TCO (Custo Total de Propriedade), cujo material é preferencialmente civil, que irá gerar hidrogênio a partir da água.

A IATI está projetando um kit de conversão para que os geradores a diesel possam funcionar com um híbrido de 50% H2 e 50% diesel, que pode ser usado para ativos existentes e depreciáveis.

O projeto terá investimento de R$ 4,2 milhões, para construção, teste e avaliação, o que proporcionará uma alternativa viável e ecologicamente correta ao diesel GMG usando H2.

A coordenadora da AES Tietê, concluído dizendo que “Hoje não existem sistemas comerciais que permitam a utilização do hidrogênio em substituição ao diesel em GMG. Nossa estimativa de comercialização dos kits e eletrolisadores é de 0,1% do mercado no primeiro ano, com crescimento de 10% a.a”.

Tags:
Roberta Souza
Engenheira de Petróleo, pós-graduanda em Comissionamento de Unidades Industriais, especialista em Corrosão Industrial. Entre em contato para sugestão de pauta, divulgação de vagas de emprego ou proposta de publicidade em nosso portal. Não recebemos currículos
fwefwefwefwefwe