Início Decreto presidencial autoriza junção da EPL e Valec para criação de nova empresa com foco na redução de custos operacionais nos projetos de transportes

Decreto presidencial autoriza junção da EPL e Valec para criação de nova empresa com foco na redução de custos operacionais nos projetos de transportes

27 de maio de 2022 às 12:01
Compartilhe
Siga-nos no Google News
O setor de transportes brasileiro agora terá uma nova empresa após a autorização da junção da EPL e da Valec por meio de um decreto presidencial, cujo objetivo principal é proporcionar uma redução de custos operacionais nos projetos em andamento
Foto: Gondilberto Filho (Valec)

O setor de transportes brasileiro agora terá uma nova empresa após a autorização da junção da EPL e da Valec por meio de um decreto presidencial, cujo objetivo principal é proporcionar uma redução de custos operacionais nos projetos em andamento

Segundo o Diário Oficial da União liberado durante a última quarta-feira, (25/05), houve um decreto presidencial no início da semana que autorizou a junção das estatais: Empresa de Planejamento e Logística (EPL) e a Valec – Engenharia, Construções e Ferrovias, para a criação da Infra S/A. Essa terá foco principal no desenvolvimento de projetos voltados para o setor de transportes brasileiros e será responsável por uma forte redução de custos operacionais.

EPL e Valec poderão se unir para formar nova companhia brasileira focada no desenvolvimento de novos projetos voltados para o setor de transportes

Após o decreto presidencial autorizando a união, as empresas EPL e Valec poderão realizar uma junção das companhias para formar uma nova empresa brasileira, a Infra S/A. O decreto oficial foi publicado durante esta última quarta-feira e a junção das companhias formará uma empresa focada prioritariamente no desenvolvimento de projetos voltados para o setor de transportes no território nacional ao longo dos próximos anos, segundo a EPL e a Valec. 

Trabalhe no Setor Eólico do Brasil

Além disso, um dos principais objetivos com a junção de ambas as empresas para formar a nova companhia de transportes é reduzir os custos operacionais dos projetos em desenvolvimento. Isso acontece porque  a previsão é que sejam economizados R$ 90 milhões em custos operacionais por ano com a união da EPL e da Valec. E, com a publicação do decreto presidencial autorizando a junção, a previsão é de até 180 dias para que a companhia seja efetivada em definitivo, após um acordo firmado entre as companhias para que isso aconteça. 

Ademais, a Infra S/A será responsável por atuar em projetos de caráter estratégico com a utilização da tecnologia focando em modernizar a infraestrutura, além de empreendimentos de suporte para gestão ambiental e territorial de projetos de infraestrutura, bem como também atuará na prestação de consultoria sobre infraestrutura para o Brasil. Assim, a junção da EPL e da Valec poderá contribuir não só para a redução de custos operacionais, mas também para tornar o setor de transportes e infraestrutura brasileiro ainda mais eficiente e moderno.

Projetos em andamento das companhias terão continuidade com a criação da Infra S/A e Governo Federal espera uma forte redução dos custos operacionais com a decisão

A criação de uma nova empresa voltada para o setor de transportes no Brasil será essencial para o setor e o ministro da Infraestrutura, Marcelo Sampaio, comentou sobre a importância da união da EPL e da Valec para o cenário atual de infraestrutura e transporte no país. O ministro afirmou que “A companhia irá aumentar a produtividade e ampliar a eficiência na estruturação de projetos de infraestrutura, sempre pensando a logística de transportes, estruturando o futuro, sem qualquer descontinuidade ao que está em andamento”.

E o principal destaque para essa decisão é a redução de custos operacionais, uma vez que, apenas na fase inicial de união, deverá haver uma economia de R$ 30 milhões com a redução de despesas com pessoal e funções, bem como pela redução de custeio de funcionamento das duas empresas. Além disso, o governo estima uma economia de R$ 90 milhões por ano a partir do segundo ano de funcionamento da companhia. 

Por fim, todos os projetos em andamento da EPL e da Valec serão incorporados pela nova companhia, como por exemplo as obras dos trechos II e III da Ferrovia de Integração Oeste-Leste (Fiol) e a fiscalização das obras da Ferrovia de Integração Centro-Oeste (Fico), além de outros empreendimentos previstos para o futuro.

Relacionados
Mais recentes