1. Início
  2. / Ciência e Tecnologia
  3. / Conheça a impressionante mina a céu aberto mais extensa do mundo com 1.200 metros de profundidade e 7,7 km², da qual depende a indústria da mineração de cobre
Tempo de leitura 5 min de leitura Comentários 23 comentários

Conheça a impressionante mina a céu aberto mais extensa do mundo com 1.200 metros de profundidade e 7,7 km², da qual depende a indústria da mineração de cobre

Escrito por Noel Budeguer
Publicado em 17/06/2024 às 15:51
Mineração - mina - cobre - ouro
Conheca a impressionante mina a céu aberto mais extensa do mundo com 1.200 metros de profundidade e 7,7 km², da qual depende a indústria do cobre

Explore a maior mina a céu aberto do mundo, com mais de 1.200 metros de profundidade e 4 km de largura, fundamental para a mineração de cobre e outros metais preciosos

Existem muitas minas pelo mundo, mas poucas se comparam à de Bingham Canyon. A mineração permanece uma atividade crucial para inúmeros setores, e é importante lembrar de minerais, metais e elementos antigos que continuam sendo vitais para a tecnologia moderna. Um exemplo é o cobre, a estrela de uma das minas mais impressionantes do planeta que, além disso, é fonte de outros metais. E é que Bingham Canyon é uma mina a céu aberto gigantesca.

Mineração

120 anos de mineração de cobre

No meio do século XIX, os irmãos Sandford e Thomas Bingham descobriram cobre enquanto cuidavam do gado que pastava na região. Informaram seus superiores, mas a exploração do metal não foi prioritária na época, pois o principal objetivo era garantir a sobrevivência e o estabelecimento da comunidade local.

Alguns anos depois, a organização de diferentes mineradores em Utah começou a ver potencial no cânion e, após alguns anos em que duas empresas exploravam a mina por conta própria através de túneis, elas se fundiram para criar a Kennecott Copper Corporation. Em 1903, decidiram utilizar técnicas de mineração a céu aberto e, desde então, vêm extraindo recursos de forma intensa.

Uma imensidão

É interessante notar que a mina está muito próxima de Salt Lake City, a capital de Utah. E isso é curioso porque uma mina a céu aberto é uma enorme fonte de poluição. No entanto, os responsáveis decidiram que valeria a pena utilizar essa técnica devido ao fato de que os depósitos de minerais e rochas úteis estão relativamente próximos da superfície. O resultado são crateras gigantescas, e a de Bingham Canyon é uma das maiores.

Desde 1903, a mina se transformou em um poço com mais de 1.200 metros de profundidade, quatro quilômetros de largura e um total de 7,7 quilômetros quadrados. É uma das maiores escavações artificiais do mundo, visível a partir de um ônibus espacial e emprega mais de 2.400 trabalhadores.

Reservas abundantes

Falamos de cobre, mas na verdade a mina produz cobre, ouro, prata, telúrio e molibdênio. De acordo com a Rio Tinto, o grande conglomerado minerador que absorveu a Kennecott Copper, a produção em 2023 foi de mais de 108.000 toneladas de cobre refinado. Esses números impressionantes se explicam pelo fato de que a mina opera 24 horas por dia, 365 dias por ano.

O ano de 2021 foi recorde, com quase 160.000 toneladas de cobre, 7.600 toneladas de molibdênio, 2,22 milhões de onças de prata e 139.500 onças de ouro. Historicamente, a mina produziu 19 milhões de toneladas de cobre, mais do que qualquer outra mina na história. Em dezembro de 2021, as reservas estimadas eram de 2,11 milhões de toneladas de cobre, 28,54 milhões de onças de prata, 2,09 milhões de onças de ouro e há uma expectativa de que existam outros 20 milhões de toneladas de recursos minerais subterrâneos.

Maquinário poderoso

E essa enorme produção é alcançada com equipamentos à altura. Eles possuem várias gruas com pás elétricas, sendo a maior capaz de recolher cerca de 98 toneladas de uma só vez (o peso de aproximadamente 50 carros). Esse equipamento custa mais de 20 milhões de dólares e pesa uma tonelada e meia. Além disso, há 80 caminhões gigantes capazes de transportar 320 toneladas por viagem e possuem perfuradoras que criam buracos no solo que são preenchidos com 540 quilos de explosivos diários para continuar ampliando a mina.

Este é um dos problemas da mineração a céu aberto, pois gera uma grande quantidade de poeira, mas a Rio Tinto afirma que possui um dispositivo que permite capturar partículas finas com um sistema chamado ‘bag house’, semelhante a um aspirador gigante.

O processo de mineração

Com esse maquinário, em Bingham Canyon são extraídas 150.000 toneladas de minério de cobre e 330.000 toneladas de material de sobrecarga por dia. Esse material é transportado por uma esteira de cerca de oito quilômetros até ser armazenado no Concentrador de Copperton. Lá, a rocha é moída para obter partículas finas que são combinadas com ar, água e certos reagentes para separar os minerais.

Através de uma tubulação, esses minerais são transportados até a fundição, onde são convertidos em líquido, e esse líquido segue para a refinaria. Durante 10 dias, as placas de cobre são imersas em células eletrolíticas com uma solução ácida e uma placa de aço inoxidável. Com a aplicação de uma corrente elétrica, os íons de cobre migram para a lâmina de aço e as impurezas (entre elas o ouro e a prata) caem no fundo de uma célula. Mais tarde, ambos serão recuperados em uma planta de processamento de metais preciosos. Assim, forma-se uma placa de cobre com pureza de 99,99%.

Desafios e controvérsias

Atualmente, a Kennecott afirma ter uma das menores pegadas de carbono entre os produtores de cobre nos Estados Unidos e está realizando uma transição para fontes de energia renovável, o que permitiu economizar um milhão de toneladas de CO2 emitidas na atmosfera. Como outras empresas, está comprometida em ser neutra em carbono até 2050 com essas práticas e a aquisição de veículos elétricos. Esses caminhões podem ser fundamentais para as minas a curto prazo.

No entanto, a história da mina não é um conto de fadas. A EPA considera que há uma coluna de água subterrânea contaminada de cerca de 190 quilômetros quadrados devido a múltiplos derramamentos da mina, com efeitos muito negativos para a população local que continua crescendo. Acusaram a empresa de liberar substâncias perigosas para a natureza, contaminando recursos que sustentam populações de aves ou peixes, e criticaram a opacidade ao emitir relatórios sobre o que ocorreria se um grande terremoto colapsasse a estrutura da mina.

Atração turística

Mas, além de tudo isso, Bingham Canyon é uma atração. É possível organizar visitas escolares, mas também privadas, a um preço de seis dólares cada (exceto para menores de cinco anos, que entram gratuitamente). A empresa afirma que todos os ganhos são doados à sua própria fundação, mas, embora não seja a mesma coisa, também é possível fazer o percurso virtual sem sair de casa.

Além disso, após um enorme investimento de 1,5 bilhão de dólares, a Rio Tinto poderá ampliar a zona sul da mina, o que ajudará a alcançar uma produção de um milhão de toneladas de cobre refinado entre 2026 e 2032.

Inscreva-se
Notificar de
guest
23 Comentários
Mais antigos
Mais recente Mais votado
Feedbacks
Visualizar todos comentários
Noel Budeguer

De nacionalidade argentina, sou redator de notícias e especialista na área. Abordo temas como ciência, petróleo, gás, tecnologia, indústria automotiva, energias renováveis e todas as tendências no mercado de trabalho.

Compartilhar em aplicativos