MENU
Menu
Início Cientistas afirmam que fertilizar oceanos com ferro pode ajudar a remover toneladas de dióxido de carbono por ano

Cientistas afirmam que fertilizar oceanos com ferro pode ajudar a remover toneladas de dióxido de carbono por ano

17/08/2022 às 09:51
Compartilhe
Compartilhar no WhatsApp
Compartilhar no Facebook
Compartilhar no LinkedIn
Compartilhar no Telegram
Compartilhar no Twitter
Compartilhar no E-mail
Siga-nos no Google News
Cientistas afirmam que fertilizar oceanos com ferro pode ajudar a remover toneladas de dióxido de carbono por ano
Foto: Ilumin/THE verge

A fertilização dos oceanos com ferro poderia aumentar massivamente as populações de algas oceânicas.

Um radioquímico marinho da Woods Hole Oceanographic Institution, e uma equipe de cientistas elaboraram um plano para inundar os oceanos do mundo com fitoplâncton em uma tentativa de evitar os piores efeitos das mudanças climáticas. É uma forma de geoengenharia – focada nos mares e não nos céus – que depende da capacidade do oceano de absorver grandes quantidades de dióxido de carbono e dissolvê-lo naturalmente. Ao contrário de outras formas de geoengenharia, não envolve produtos químicos nocivos. Os fitoplânctons naturalmente usam dióxido de carbono e luz solar para a fotossíntese, da mesma forma que as plantas terrestres, para produzir oxigênio. Na verdade, os fitoplânctons são responsáveis por aproximadamente 50% do oxigênio em nossa atmosfera.

Uma nova forma de geoengenharia

Alguns pesquisadores propuseram que poderíamos aumentar a quantidade de fitoplâncton no oceano para permitir que ele puxe mais dióxido de carbono da atmosfera. Como o fitoplâncton prospera em áreas ricas em ferro, pequenas quantidades de ferro podem ser adicionadas a partes do oceano para produzir muito mais fitoplâncton.

Artigos recomendados

Ken Buesseler, radioquímico marinho da Woods Hole Oceanographic Institution, e uma equipe de cientistas investigaram os efeitos da fertilização com ferro nos oceanos do mundo. Eles descobriram que a introdução de ferro poderia “alterar o fluxo de carbono para o oceano profundo” e que contribuiu significativamente para a quantidade de dióxido de carbono puxado para o oceano.

No entanto, como Buesseler explicou ao The Daily Beast, sua pesquisa foi realizada há 20 anos, e a comunidade científica pouco fez para investigar o potencial da fertilização com ferro desde então.

“O que aconteceu há 20 anos é que começamos a andar por aí, e espalhamos uma forma química de ferro e procurávamos aquele fitoplâncton – a resposta da planta – e, de fato, isso realmente mostrou muito claramente que se você aumentar o ferro, então você poderia criar mais absorção de dióxido de carbono”, explicou Buesseler.

“A diferença entre agora e 20 anos atrás é que acho que a crise climática é muito mais aparente para o público.”

Fertilização com ferro pode remover uma gigatonelada de CO2 por ano

No ano passado, Buesseler se juntou a um grupo de cientistas para divulgar um relatório através das Academias Nacionais de Ciências, Engenharia e Medicina que analisava várias opções para combater as mudanças climáticas, incluindo fertilização com ferro e aumento dos níveis de fitoplâncton nos oceanos do mundo.

Buesseler não acredita que adicionar ferro aos oceanos do mundo em escala de massa para aumentar os níveis de fitoplâncton causaria algum dano aos ecossistemas globais. No entanto, ele enfatiza que mais pesquisas são necessárias para investigar os efeitos. Buesseler explicou que até uma gigatonelada de dióxido de carbono pode ser sequestrada anualmente usando o método do fitoplâncton – e isso, ele disse ao The Daily Beast, é uma estimativa “muito conservadora”.

“Isso mudará os tipos de plantas e animais que crescem, mas isso já está acontecendo com as mudanças de temperatura e acidez”, disse ele.

A fertilização com ferro poderia ser implantada de maneira bastante fácil e barata usando barcos que simplesmente teriam que despejar o ferro em regiões especificamente selecionadas – escolhidas porque carecem de ferro. O ferro também entraria em vigor rapidamente, já que as florações de fitoplâncton podem ser observadas dentro de 24 horas após a adição de ferro à água.

Relacionados
Mais recentes
COMPARTILHAR