Petroleira americana investirá R$ 1 bilhão em nova refinaria, no Espírito Santo

A petroleira Oil Group Exploração e Produção pretende investir R$ 1 bilhão no Espírito Santo para criar uma minirrefinaria modular junto ao Porto Central, em Presidente Kennedy, no Sul do Estado.

O projeto, que está em estudo, foi anunciado nesta quinta-feira, 16 de maio, em reunião com o secretário de Estado de Desenvolvimento, Heber Resende. Durante o encontro, representantes da multinacional explicaram que a capacidade de refino da empresa é de 20 mil barris de petróleo por dia, podendo chegar a 50 mil.

O grupo atua no país desde 2011, com foco na exploração de petróleo em águas profundas e pretende aplicar investimento da ordem de 1 bilhão de reais. A ideia é que a planta fique na área do Porto Central, projeto que deve ser construído em Presidente Kennedy, no Sul do Estado.

Segundo o secretário, o Estado tem interesse em atrair refinarias desse porte. “Temos uma expectativa de grande produção no campo de Jubarte após o acordo com a Petrobras. Aliados a outras empresas de exploração, queremos criar um ambiente de negócios cada vez mais propício aos investidores, fortalecendo mais a imagem do Espírito Santo como um estado petroleiro.”

De acordo com o CEO da empresa  Oil Group Exploração e Produção, Fabiano Diagoné, a vantagem do Espírito Santo é sua localização estratégica, que favorece a criação desses investimentos.

“Estamos em busca de oportunidades em todo o País. No entanto, consideramos que o Espírito Santo está num momento econômico à frente de outros estados, com reconhecido equilíbrio fiscal, além de possuir localização muito favorável para a nossa logística.”declarou.

Diagoné disse ainda que, no momento, o projeto passa por estudo de viabilidade, com alguns clientes e fornecedores já identificados onde as expectativas são muito boas.

Porto Central

O Porto Central é uma joint venture entre o Porto de Roterdã e a TPK Logística, que será construído no porto no município de Presidente Kennedy, no sul do Espírito Santo. Trata-se de complexo industrial-portuário privado de águas profundas, de classe mundial.

Ele será um empreendimento de múltiplo propósito e vai fornecer infraestrutura para instalação de vários terminais portuários, gerando na fase de construção cerca de 4.700 empregos diretos. Os investimentos previstos na primeira fase serão da ordem de R$ 3,5 bilhões.

Locar V naufraga parcialmente com os módulos M-15 e M-16 da P-71

Sobre Flavia Marinho

Engenheira de Produção pós graduada em Engenharia Elétrica e experiente na indústria de construção naval. Se você têm uma sugestão de pauta, gostaria de postar vagas de empregos ou anunciar conosco, mandem um e-mail para [email protected] OBS: Não contratamos, então não envie currículos! Informações sobre empregabilidade apenas no site.