Usina pública de energia solar será implantada em aterro sanitário de Curitiba


Usina pública de energia solar será implantada em aterro sanitário de Curitiba

A cidade de Curitiba vai poder contar com geração de energia solar a partir de uma usina pública que será implantada em aterro sanitário

Em Curitiba-PR, na região da Caximba, uma usina pública para geração de energia solar será instalada no aterro sanitário da cidade, desativado em 2010. Com formato de pirâmide, o empreendimento será implantado e operado em parceria da Prefeitura municipal com a Companhia Paranaense de Energia Elétrica (Copel). O Termo de Cooperação Técnica entre os órgãos competentes foi assinado nesta quarta-feira, 04 de março. A CCEE aponta que geração de energia solar brasileira cresceu 28% em fevereiro de 2020.

Você também pode conferir

A usina de energia solar contará com duas unidades que somarão juntas uma capacidade total de produção de 5 MW. A Unidade Geradora Fotovoltaica terá 3,5 MW de potência e a Unidade Geradora a Biomassa – que aproveitará os resíduos vegetais das podas de árvores e limpeza de jardins – com até 1,5 MW.

Segundo Daniel Pimentel Slaviero, diretor-presidente da Copel, em 12 meses devem ser produzidos 18.600 MWh de energia, equivalente a 43% do consumo dos prédios municipais.

Com investimento de R$ 31,5 milhões, os estudos de viabilidade técnica, financeira e jurídica da usina de energia solar já estão sendo elaborados e devem ser concluídos até maio deste ano, de acordo com a Secretaria Municipal do Meio Ambiente.

Usina flutuante de energia solar fotovoltaica será implantada em São Paulo

A cidade de São Paulo receberá um projeto piloto para a instalação da primeira usina de energia solar flutuante do estado. A tecnologia é inédita na capital, mas no Nordeste já foi apresentada desde do ano passado. A iniciativa foi avaliada em R$ 450 mil em investimentos com equipamentos e é estabelecida entre o Governo do Estado em parceria com a empresa Sunlution Soluções em Energia Ltda.

Um passo simples para se trabalhar embarcado mas poucos conhecem...

Um dos mercados mais almejados para profissionais que desejam trabalhar no mar é o offshore, principalmente em navios de cruzeiro, embarcações de apoio e marcantes. As escalas de trabalho são diferenciadas, podendo-se trabalhar apenas 6 meses e folgando mais 6. Assista o vídeo revelador que têm ajudado muitas pessoas no Brasil a ingressar neste mercado aqui.

Kelly Angelim

Sobre Kelly Angelim

Engenheira de Petróleo, especialista em Eficiência Energética e mestre em Engenharia Civil. Experiente na indústria petrolífera onshore; Entre em contato para sugestão de pauta, divulgação de vagas de emprego ou proposta de publicidade em nosso portal. Não recebemos currículos