1. Início
  2. / Geopolítica
  3. / Tensões na América do Sul: Venezuela avança sobre território da Guiana que conta com o apoio incondicional dos Estados Unidos, e o Brasil enfrenta uma crise em suas fronteiras
Tempo de leitura 4 min de leitura Comentários 0 comentários

Tensões na América do Sul: Venezuela avança sobre território da Guiana que conta com o apoio incondicional dos Estados Unidos, e o Brasil enfrenta uma crise em suas fronteiras

Escrito por Noel Budeguer
Publicado em 21/05/2024 às 09:53
Tensões na América do Sul: A Venezuela avança sobre território da Guiana que conta com o apoio incondicional dos Estados Unidos, e o Brasil enfrenta uma crise em suas fronteiras
Em uma manobra inesperada, a Venezuela ergueu uma ponte sobre o Rio Cuyuni, que marca a fronteira entre o território venezuelano e a região disputada de Essequibo – que conta com o apoio incondicional dos Estados Unidos

Em uma manobra inesperada, a Venezuela ergueu uma ponte sobre o Rio Cuyuni, que marca a fronteira entre o território venezuelano e a região disputada de Essequibo – que conta com o apoio incondicional dos Estados Unidos

Em uma manobra inesperada, a Venezuela, liderada por Nicolás Maduro, ergueu uma ponte sobre o Rio Cuyuni, que marca a fronteira entre o território venezuelano e a região disputada de Essequibo, pertencente à Guiana. Essa ação unilateral é vista como o início de um processo de invasão, similar ao que a Rússia realizou na Ucrânia.

Segundo o Centro de Estudos Estratégicos Internacionais, Maduro está conduzindo um movimento militar sobre o território da fronteira de Essequibo de maneira muito semelhante ao que Putin fez antes da invasão da Ucrânia em 2022. O líder venezuelano tem instigado um sentimento nacionalista e de guerra constante em seus apoiadores e nas Forças Armadas, o que pode levá-lo a uma ação concreta contra a Guiana.

O monitoramento por satélite realizado pelo centro de estudos revela que as Forças Armadas Venezuelanas estão transferindo mais equipamentos e militares para o território da fronteira com Essequibo, com a ampliação de um campo de aviação e a construção de uma torre de controle na Ilha de Ananoco. Essa movimentação indica que Maduro está se preparando para uma possível invasão.

A reação da Guiana e dos Estados Unidos

A Guiana, apesar de ser militarmente inferior à Venezuela, conta com o apoio incondicional dos Estados Unidos, que há muito tempo buscam uma oportunidade para remover Nicolás Maduro do poder e aumentar sua presença na região amazônica.

Recentemente, a Embaixada dos Estados Unidos em Georgetown, capital da Guiana, anunciou que o país realizará exercícios militares na região, reafirmando seu compromisso como parceiro de segurança confiável da Guiana. Dois caças de combate americanos F-18 Super Hornet sobrevoaram a Guiana, gerando alertas na Venezuela, que denunciou o que considerou “provocações e ameaças”.

As implicações para o Brasil

O Brasil, que faz fronteira com a região de Essequibo, está diretamente afetado por essa crise. Uma eventual guerra entre a Venezuela e a Guiana teria consequências sem precedentes na América Latina e impactos diretos no Brasil, nos setores diplomático, econômico e social.

O estado brasileiro mais afetado seria Roraima, que além de ver sua população fronteiriça em risco, teria que lidar com mais um êxodo de refugiados. As relações diplomáticas e comerciais envolvendo o Brasil, a Venezuela e a Guiana também seriam seriamente afetadas, uma vez que o Brasil dificilmente permaneceria neutro nesse contexto.

Além disso, o Brasil teria que mobilizar suas Forças Armadas na fronteira norte de uma forma alarmante, algo que não ocorre há décadas. A fronteira norte brasileira ficaria literalmente na mira dos países envolvidos nessa eventual guerra por Essequibo.

O posicionamento do governo brasileiro

A opinião pública sobre como o atual governo brasileiro está lidando com a Crise de Essequibo está dividida. Alguns acham que o Brasil deve se manter neutro, enquanto outros defendem que o país deve adotar uma postura correspondente ao seu tamanho regional e mediar essa crise, elevando assim seu status na diplomacia internacional.

No entanto, parece que o governo brasileiro não está conseguindo agradar nenhum dos lados. Sua atuação na crise tem sido criticada por não conseguir encontrar um equilíbrio entre esses diferentes posicionamentos.

Ação unilateral da Venezuela na região

A ação unilateral da Venezuela na região de Essequibo representa uma ameaça à estabilidade da América do Sul e coloca o Brasil em uma posição delicada. A possibilidade de uma guerra entre a Venezuela e a Guiana, com o envolvimento dos Estados Unidos, traz sérias preocupações para o Brasil, que terá que lidar com as consequências diretas desse conflito em suas fronteiras.

O governo brasileiro precisa adotar uma estratégia clara e assertiva para lidar com essa crise, buscando preservar a paz na região e proteger os interesses nacionais. Essa é uma situação que requer habilidade diplomática e uma postura firme para evitar que o Brasil seja arrastado para um conflito que pode ter efeitos devastadores em sua segurança e estabilidade.

Inscreva-se
Notificar de
guest
0 Comentários
Feedbacks
Visualizar todos comentários
Noel Budeguer

De nacionalidade argentina, sou redator de notícias e especialista na área. Abordo temas como ciência, petróleo, gás, tecnologia, indústria automotiva, energias renováveis e todas as tendências no mercado de trabalho.

Compartilhar em aplicativos
0
Adoraríamos sua opnião sobre esse assunto, comente!x