Submarino Riachuelo está armado para patrulhar áreas do Pré Sal

primeiro submarino é lançado em Itaguaí

Primeiro Submarino do Prosub será lançado hoje e está equipado com armamentos capazes de fazer a patrulha de áreas onde se explorará o Pré Sal

Marinha lança hoje (14/12), na base naval de Itaguaí (RJ), o primeiro submarino do Programa de Desenvolvimento de Submarinos, o PROSUB. A embarcação é a primeira de quatro unidades construídas após acordo de transferência de tecnologia entre Brasil e França. O programa conta ainda com um submarino Nuclear.
O Riachuelo (S40) tem 72 metros de comprimento, pesa 1.870 Toneladas e vai receber uma tripulação de 35 marinheiros em viagens que conseguem chegar a até mais de 70 dias seguidos. Por ser equipado com torpedos e mísseis e ser capaz de espalhar minas navais no caminho de embarcações, será lhe dada a função de patrulhar as áreas do Pré Sal.

Importância naval dos Submarinos

As Forças Armadas colocam os submarinos como parte mais estratégica de seus programas, além da construção de uma base naval de grandes proporções e com estrutura para enriquecimento de urânio, já pensando em seu submarino nuclear que deverá entrar em operação no final de 2029. O Submarino é uma arma de guerra que defenderá a costa brasileira, incluindo as áreas de produção do Pré Sal, no caso de ataques de embarcações militares de grande porte, pois obrigará ao país inimigo ter tecnologia e custos maiores para realizar um ataque naval.

Outra função dos submarinos é realizar missões de forças especiais no país e fora dele, neste caso eles levariam, secretamente, mergulhadores de combate em missões de combate ou inteligência. A última guerra naval acontecida no mundo foi a de disputa das ilhas falkland/Malvinas, em 1982, vencida pelo reino Unido contra a Argentina.

Submarino Nuclear

O Brasil planeja ter um submarino nuclear até 2019, o SN-BR Álvaro Alberto. São muitas as suas diferenças para os submarinos convencionais, a principal é que o submarino nuclear tem capacidade de permanecer submerso e oculto indefinidamente até acabarem os estoques de comida da tripulação, pois sua propulsão nuclear permite uma autonomia maior, pois é a partir da fissão do urânio e os submarinos convencionais são movidos a baterias elétricas que têm que ser recarregadas por um motor a diesel.
Para que isso aconteça e para que o ar seja renovado, o submarino convencional deve navegar próxima da superfície e levantar um equipamento chamado snorkel, que permite o funcionamento desse motor. Mas, quando isso acontece, outros navios podem detectá-lo com mais facilidade.

O Novo Governo e os submarinos

A Marinha vai perder o gestor do Prosub para a nova equipe de governo, o Almirante Bento Costa Lima Leite de Albuquerque, deixará a Marinha para ser o ministro de Minas e Energia. O programa dos submarinos se encerrará em 2019 e por já ter metas ousadas, em tese, não pode ser acelerado por Bolsonaro. O custo total do projeto é de cerca de R$ 35 bilhões. Só a parte necessária à construção de submarinos convencionais e as estruturas necessárias para eles operaram custará cerca de R$ 10 bilhões. A ideia do novo governo é tentar garantir que os programas de defesa recebam periodicamente os recursos necessários.

Indústria de Caldeiras divulga ótimas oportunidades para contratações em novos projetos no Sul do país.

Sobre Renato Oliveira

Engenheiro de Produção com pós-graduação em Fabricação e montagem de tubulações com 30 anos de experiência em inspeção/fabricacão/montagem de tubulações/testes/Planejamento e PCP e comissionamento na construção naval/offshore (conversão de cascos FPSO's e módulos de topsides) nos maiores estaleiros nacionais e 2 anos em estaleiro japonês (Kawasaki) inspecionando e acompanhando técnicas de fabricação e montagem de estruturas/tubulações/outfittings(acabamento avançado) para casco de Drillships