Sem mão de obra suficiente, Japão aprova entrada de mais 300 mil estrangeiros no país, inclusive brasileiros

japão mão de obra do Brasil 300 mil

Congresso japonês aprovou a entrada de um expressivo número de imigrantes no país a partir de abril para suprir as áreas de construção civil, naval e agricultura

O primeiro ministro japonês, Shinzo Abe,  conseguiu aprovar no congresso a entrada de mais de 300 mil trabalhadores. Em um país  tradicional  e de população envelhecida muitos consideram esta decisão, bastante polêmica, porém na opinião do chefe de estado, com a população envelhecida e diminuindo rapidamente, faz se necessário realizar concessões aos imigrantes.

Muito embora fosse um problema já conhecido pelos governos anteriores, a demora em se tomar uma decisão, só o fez se agravar durante os anos, chegando até o atual estágio, em que o parlamento japonês aprovou em dezembro a proposta do governo de permitir a entrada de 300 mil trabalhadores até 2025.

Atualmente,  cerca de 1,28 milhão de trabalhadores estrangeiros vivem no Japão. É um número bem expressivo se comparado, por exemplo, aos 480 mil de 2008. Os imigrantes respondem por apenas 1% da população do Japão, comparado a 5% no Reino Unido ou 17% nos EUA. Quase 30% dos trabalhadores estrangeiros do Japão vêm da China. O resto, do Vietnã, das Filipinas e do Brasil, que tem hoje cerca de 180 mil imigrantes.

Envelhecimento da população

O Japão é o país que envelhece mais rapidamente no mundo e a população está diminuindo, a ponto de entre 2010 e 2015, cair em quase um milhão de habitantes, no ano passado caiu mais 227 mil e em 2050, 40% da população do Japão será formada por idosos.

há muitos empregos que os mais velhos não conseguem fazer e os jovens não querem fazer

Em maio a taxa de disponibilidade de empregos atingiu o maior nível em 44 anos, 160 empregos para cada 100 trabalhadores, há muitos empregos que os mais velhos não conseguem fazer e os jovens não querem fazer.

Hoje a imigração é vista como uma solução para o Japão, por mais que muitos sejam contra a decisão do primeiro ministro e achem que a entrada de imigrantes afetará a cultura e mudar a sociedade japonesa.

Hoje, os setores mais carentes são a Construção civil, agricultura e construção naval. A hotelaria, indústria do varejo, enfermagem e assistência domiciliar também tem muitas vagas devido ao crescente número de idosos no país.

PARLAMENTO DO JAPÃO VOTOU A FAVOR DA ENTRADA DE UM NÚMERO NUNCA ANTES VISTO DE TRABALHADORES IMIGRANTES – 300 MIL NOS PRÓXIMOS CINCO ANOS, A PARTIR DE ABRIL DE 2019 (FOTO: GETTY IMAGES/BBC)

Conforme um relatório de novembro do governo, mais de 345 mil trabalhadores estrangeiros devem se mudar para o Japão para ocupar cargos em todos esses setores nos próximos cinco anos. Abe quer agora que trabalhadores de baixa qualificação fiquem no país de 3 a 5 anos e os de alta tenham um visto renovável e a permissão de trazer suas famílias, esse novo esquema de visto deve estar aprovados em abril se as propostas de Abe forem aprovadas, 345 mil imigrantes devem chegar ao Japão nos próximos 5 anos.

Há que se lembrar que o Japão sediará as próximas olimpíadas e que o tempo é curto para o país amadurecer seus conceitos sobre imigração, o que se sabe é que o ano de 2019 será de grandes discussões sobre o assunto para os japoneses.

Existem oportunidades para quem quer trabalhar no México ! Veja aqui !


ENQUANTO TÓQUIO SE APROXIMA DOS JOGOS OLÍMPICOS DE 2020, ESCASSEZ DE MÃO DE OBRA NA CONSTRUÇÃO DE ESTRUTURAS EXIGE AJUDA DE TRABALHADORES ESTRANGEIROS
Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião do Click Petróleo e Gás.

Renato Oliveira

Sobre Renato Oliveira

Engenheiro de Produção com pós-graduação em Fabricação e montagem de tubulações com 30 anos de experiência em inspeção/fabricacão/montagem de tubulações/testes/Planejamento e PCP e comissionamento na construção naval/offshore (conversão de cascos FPSO's e módulos de topsides) nos maiores estaleiros nacionais e 2 anos em estaleiro japonês (Kawasaki)