Projeto para construção de usina termoelétrica no município de Rio Grande é negado pela Aneel

Kelly
por
-
03-06-2020 16:17:45
em Refinaria e Termoelétrica
Projeto para construção de usina termoelétrica no município de Rio Grande é negado pela Aneel Projeto para construção de usina termoelétrica no município de Rio Grande é negado pela Aneel

Estimado em cerca de R$ 4 bilhões, projeto de termoelétrica em Rio Grande, município situado no Rio Grande do Sul, é cancelado pela Aneel

Na tarde dessa terça-feira (02), a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) negou o pedido de reconsideração da revogação da autorização para o projeto de construção de uma termoelétrica na cidade de Rio Grande, no RS. A solicitação tinha sido feita pela prefeitura municipal de Rio Grande, o governo do Estado e Fiergs.

Veja também outras notícias

A outorga do projeto da termoelétrica de 1.238 MW de capacidade instalada, que está associada a uma planta de regaseificação de Gás Natural Liquefeito (GNL), foi revogada pela Aneel em 2017, em virtude de atrasos no cronograma das obras.

O complexo venceu em 2014 um leilão de energia para comercializar a sua geração e que previa a operação do empreendimento até janeiro de 2019.

O projeto foi inicialmente conduzido pelo grupo Bolognesi, que possui um acordo de transferência dos direitos da térmelétrica para o Grupo Cobra, o qual estaria vinculado à homologação da outorga por parte da Aneel.

Antes da decisão dos diretores da Aneel, em audiência virtual, o diretor do Grupo Cobra José Carlos Herranz informou que “para facilitar a obtenção da licença ambiental, a empresa se proporia a alterar o projeto, que inicialmente previa uma estrutura sobre a água para a regaseificação do GNL, mas passaria agora a ser um complexo em terra.”

O executivo também ressaltou que dentro de um novo cronograma que a companhia pensou para o empreendimento, a operação comercial da térmica poderia acontecer a partir de 1 de janeiro de 2024.

Sobre a decisão

O diretor da Aneel Efrain Pereira da Cruz lembrou que os empreendedores poderão inscrever o empreendimento em novos leilões de energia, isto é, tendo que disputar novamente concorrências para garantir o contrato de comercialização da sua geração. “O que não pode é o regulador ficar à mercê dos empreendedores para cada dia apresentar uma nova alternativa”, ressaltou Efrain.

“O Rio Grande do Sul perdeu uma grande oportunidade, com uma empresa excepcional (grupo Cobra), a burocracia mata o empreendedor pelo cansaço”, criticou o empresário Ricardo Pigatto, alegando que o caminho provável será tentar ir adiante com o projeto por meios judiciais.

*Informações via Jornal do Comércio

Tags:
Kelly
Engenheira de Petróleo especialista em Eficiência Energética e pós-graduada em Engenharia Civil; Possui experiência em atividades na indústria petrolífera onshore. Entre em contato para sugestões de pauta, postar vagas de emprego ou proposta de publicidade em nosso portal.
fwefwefwefwefwe