Porto do Açu quer centralizar todo o gás do Pré Sal

Prumo quer centralizar gás

Prumo Logística quer receber, processar e distribuir todo o gás que será produzido nos campos do Pré Sal da bacia de santos

O porto do Açu, em São João da Barra no Norte fluminense, tem a intenção de se tornar num futuro bem próximo, o centralizador de todo o gás produzido nos campos do Pré Sal, na Bacia de Santos. O objetivo da Prumo logística é que uma autosuficiência aconteça em 10 anos, com o Açu recebendo o gás natural e dando a ele uma solução, processando e transformando-o em produtos, para tal, o porto teria uma fábrica de fertilizantes e petroquímica no porto, sem contar com as termelétricas que, espera-se chegar a 6 mil MW gerados. Entretanto, para isto tudo acontecer, o gás natural tem que chegar ao Porto do Açu.

Com capacidade de gerar 1.325 MW de energia, a primeira usina começou a ser construída em março e as obras tem hoje, cerca de 1700 funcionários. A segunda Usina começara a ser construída no ano que vem, a previsão de inicio de geração é em 2023, no total, o investimento nas duas termelétricas é de R$ 8,2 bilhões.
Outro projeto da Prumo prevê, pela proximidade de 40 quilômetros com o Gasene (rede de gasodutos da Petrobras que distribui gás natural para os estados do Rio e São Paulo), é um projeto de injetar o gás natural nesta rede de dutos já existentes.

Acreditando na Indústria Petrolífera

A Prumo acredita que a recuperação do mercado de óleo e gás para 2019 acabe sendo benéfica para os planos de expansão do Porto do Açu. A TechnipFMC já anunciou a expansão de sua área ocupada no Porto para produzir dutos rígidos. A Equinor já declarou querer operar no Porto, utilizando a base da Edson Chouest.

Outro ítem que gerou otimismo foi a movimentação no T-Oil (Terminal de Petróleo do Porto), de cerca de 37 milhões de barris, um aumento de 184% em relação a 2017. A T-Oil (dirigida pela Açu Petróleo) é uma parceria da Prumo logística e a Oiltanking, que já tem em seu planejamento um parque de tancagem. O seu presidente, inclusive declarou que a área já está licenciada e aguarda o início do projeto.

Shell dá entrada no Ibama em mais cinco licenças de perfuração ! Saiba de tudo aqui !

Renato Oliveira

About Renato Oliveira

Engenheiro de Produção com pós-graduação em Fabricação e montagem de tubulações com 30 anos de experiência em inspeção/fabricacão/montagem de tubulações/testes/Planejamento e PCP e comissionamento na construção naval/offshore (conversão de cascos FPSO's e módulos de topsides) nos maiores estaleiros nacionais e 2 anos em estaleiro japonês (Kawasaki)