Porto de Santos consegue liberação de berços para navios de fertilizantes

novos berços liberados

Liberação em caráter excepcional foi necessária para por fim aos prejuízos das companhias de navegação

Chegou ao fim o impasse, no porto de Santos, entre a Companhia Docas do Estado de São Paulo (Codesp) e o Sindicato das Agências de Navegação Marítima do Estado de São Paulo (Sindamar). A Codesp conseguiu a liberação de berços de atracação para navios que transportam fertilizantes no Porto de Santos, conforme reivindicação do Sindamar, que alegava prejuízos da ordem de mais de R$ 140 Milhões devido a atrasos nas operações destes tipos de navio.

A liberação é em caráter excepcional e ocorreu após a reunião de terça feira (27/11), quando o Sindamar solicitou a liberação de mais berços de atracação visando o fim da fila de espera e para que as companhias de navegação voltasse a incluir o Porto de Santos em sua escalas. Sendo assim nesta quinta-feira (29) a Docas editou a Resolução nº 211, que permite a utilização dos berços públicos do Cais de Outeirinhos e dos armazéns 29 a 33 e 37, além dos berços dos armazéns 12A ao 15. Será necessário, entretanto, cumprir as normas de prioridade de atracação.

Recomendações da CODESP

Como algumas operações de movimentação e armazenagem de celulose são executadas nas proximidades dos berços liberados, a Codesp destacou a necessidade de cumprimento de exigências ambientais, como a utilização de equipamentos que impeçam a suspensão de partículas na descarga de caminhões.

Outra regra obrigatória da Codesp é a remoção automática de equipamentos especiais após as operações e que também determina o controle de pesagem de mercadorias em áreas alfandegadas, entre outros itens, como a descarga mínima de 3,5 mil toneladas por dia.

A Companhia de navegação Hurtigruten vai usar resíduos do setor pesqueiro combinados a outros resíduos orgânicos para impulsionar seus navios de cruzeiro e tentar melhorar a imagem das companhias de cruzeiro, que são uma das mais poluentes do mundo. Clique aqui e leia a matéria completa.

Um passo simples para se trabalhar embarcado mas poucos conhecem...

Um dos mercados mais almejados para profissionais que desejam trabalhar no mar é o offshore, principalmente em navios de cruzeiro, embarcações de apoio e marcantes. As escalas de trabalho são diferenciadas, podendo-se trabalhar apenas 6 meses e folgando mais 6. Assista o vídeo revelador que têm ajudado muitas pessoas no Brasil a ingressar neste mercado aqui.
Copy Protected by Chetan's WP-Copyprotect.