Petroleira australiana negocia entrada no campo de Peregrino

Campo de Peregrino

Negociação deve ser concluída até o final de março e marcará a entrada da empresa no campo de Peregrino operado pela Equinor

A Petroleira australiana Karoon está em negociações com a chinesa Sinochem para a aquisição dos 40% relativos á sua parte na concessão do campo de Peregrino, em águas rasas da bacia de Campos.
O poço é operado pela norueguesa Equinor e produz quase 60 mil barris/dia. Todo o sistema de Peregrino é composto por duas jaquetas fixas (WHP-A e B) e um FPSO.

O empreendimento já conta com a implementação de sua fase 2 que adicionará uma terceira plataforma (WHP-C), já em construção nos Estados Unidos, a fim de aumentar sua atual produção.

O negócio

As duas petroleiras não revelam valores da negociação, sob a condução de seus conselhos na Austrália e na China e o suporte dos escritórios no Brasil, mas sabe-se que as conversas para a compra da parte da Sinochem começaram no final de 2017 e agora estão bem perto de serem finalizadas.

Ao ser confirmado, o farm-in (processo de aquisição parcial ou total dos direitos de concessão detidos por outra empresa) fará a Karoon ingressar no mercado de óleo pesado brasileiro e ter uma produção de 24 mil barris/dia.

A Karoon passará a ter junto com a Equinor a responsabilidade de investir cerca de US$ 2,5 bilhões na fase 2 do campo de Peregrino, que tem a previsão de começar a produzir em 2020.

Segundo especialistas a chinesa Sinochem, ao sair de Peregrino, deve fechar o seu escritório no Brasil e obedecer uma estratégia mundial da empresa, que é de rever suas iniciativas em Exploração e Produção e focar suas atividades no setor petroquímico.

Quer se manter informado sobre os negócios do mercado offshore ? Clique aqui e veja a notícia que publicamos sobre o lançamento da Petrobras de licitação de três sondas ancoradas através do portal Petronect.

Um passo simples para se trabalhar embarcado mas poucos conhecem...

Um dos mercados mais almejados para profissionais que desejam trabalhar no mar é o offshore, principalmente em navios de cruzeiro, embarcações de apoio e marcantes. As escalas de trabalho são diferenciadas, podendo-se trabalhar apenas 6 meses e folgando mais 6. Assista o vídeo revelador que têm ajudado muitas pessoas no Brasil a ingressar neste mercado aqui.
Copy Protected by Chetan's WP-Copyprotect.