Petrobras perde 232 milhões de dólares com atraso da P67

Petrobras perde milhões de doláres

Atraso de um mês na entrada em operação do FPSO, que pertence a Petrobras, representou algumas centenas de milhões de dólares a menos nas contas da companhia.

A entrada em operação, na semana passada, do FPSO P-67 da Petrobras, no Campo de Lula na bacia de Santos, fez cessar uma perda de receita que já vinha se arrastando há um mês.
A Plataforma deveria ter entrado em operação até dezembro passado e como só o fez agora, no final de janeiro, as perdas com a não produção nesses 30 dias foram de aproximadamente US$ 232,5 milhões, os cálculos levaram em conta uma produção de 150 mil barris por dia que é a capacidade do FPSO.

Período fundeada na baía de Guanabara

Comenta-se no mercado que o atraso é decorrente de reparos que tiveram que ser executados, quando da chegada da plataforma da China, onde foi fabricada.
Conforme já havíamos publicado, a FPSO teve que passar por ajustes pelo empreendedor e permaneceu na baía da Guanabara, antes de seguir para sua locação, o campo de Lula.

A Petrobras não confirmou ou negou se os ajustes tiveram a ver com o atraso e limitou se a dizer que o após atividades de desembaraço aduaneiro, inspeções e serviços executados, a P-67 foi transportada ao seu destino.

O FPSO, além de produzir 150 mil barris de óleo por dia, também está habilitado a comprimir até 6 milhões de m³ por dia de gás natural.
O campo de Lula ainda neste ano, segundo a Petrobras, chegará a marca de 1 milhão de barris de petróleo produzidos por dia, isso com menos de dez anos desde o início de sua produção comercial em outubro de 2010.
A P67 estará conectada ao campo de Lula graças a nove poços produtores e seis poços injetores.

Fonte: Mercado Marítimo

A Petrobras pode sofrer uma ação coletiva nos mesmos moldes daquela que sofreu nos EUA, e os acionistas minoritários brasileiros podem ganhar uma indenização da companhia ! Leia aqui e fique informado !

Renato Oliveira

About Renato Oliveira

Engenheiro de Produção com pós-graduação em Fabricação e montagem de tubulações com 30 anos de experiência em inspeção/fabricacão/montagem de tubulações/testes/Planejamento e PCP e comissionamento na construção naval/offshore (conversão de cascos FPSO's e módulos de topsides) nos maiores estaleiros nacionais e 2 anos em estaleiro japonês (Kawasaki)