Petrobras fecha contrato com a multinacional Saipem para operações submarinas no campo de Búzios

Kelly
por
-
06-07-2020 09:57:01
em Petróleo, Óleo e Gás
Petrobras fecha contrato com Saipem para Búzios Embarcação marítima da multinacional italiana Saipem

Saipem fecha acordo de aproximadamente 260 milhões de libras com a Petrobras para atividades de subsea no campo de Búzios, no pré-sal

A companhia italiana de petróleo e gás Saipem anunciou um acordo de vários milhões de libras com a Petrobras em seu campo de Búzios, no pré-sal brasileiro. O contrato, que vale mais de 260 milhões de libras, é um sistema submarino rígido baseado em risers no offshore do estado do Rio de Janeiro.

Veja também outras notícias

O escopo do trabalho inclui cinco risers de produção e cinco injetores e linhas de fluxo por um comprimento total de 59 km, uma linha de exportação de gás de 16 km a ser conectada a um gasoduto existente, 11 jumpers rígidos e 21 estruturas submarinas de fundação.

A Saipem usará seu navio de desenvolvimento de campo para todas as obras submarinas.

Francesco Racheli, diretor de operações da Divisão de E&C Offshore da Saipem, disse: “Búzios é um dos maiores campos de petróleo em águas profundas do mundo e é muito importante que a Saipem contribua para um projeto tão significativo para o Brasil, país em que temos um longo presença e histórico estabelecidos de projetos executados com sucesso.” comentou.

“Essa nova aquisição combina com eficiência recursos internos e ativos apropriados para realizar esse ambicioso empreendimento e reforça nossa reputação como fornecedora global de soluções valiosas em um país que oferece grandes oportunidades”, diz o executivo.

“Estamos ansiosos para trabalhar ao lado da Petrobras para desenvolver ainda mais os recursos do Brasil e garantir a realização segura e oportuna de toda a produção total do campo”, completa Racheli.

Petrobras quer instalar plataformas gás natural no pré-sal, mas pode não ser viável do ponto de vista econômico

A Petrobras deseja construir e mobilizar plataformas de gás natural liquefeito para escoar sua produção produção no pré-sal, no extremo offshore brasileiro. Segundo especialistas do ramo, esta estratégia pode trazer mais malefícios econômicos do que soluções para escoamento do GNL. Leia a matéria completa aqui.

Tags:
Kelly
Engenheira de Petróleo especialista em Eficiência Energética e pós-graduada em Engenharia Civil; Possui experiência em atividades na indústria petrolífera onshore. Entre em contato para sugestões de pauta, postar vagas de emprego ou proposta de publicidade em nosso portal.