Petrobras adia novamente a FPSO de Mero II

Petrobras adia novamente a FPSO de Mero II

dezembro 13, 2018 Off Por Renato Oliveira

Licitação da FPSO de Mero II tem novo adiamento e surpreende o mercado que não esperava um novo adiamento

A entrega das propostas para a licitação da FPSO de Mero II teve novo adiamento, desta vez para 14 de fevereiro, esperava-se que o adiamento para dezembro fosse o último e que a data de Dezembro fosse mantida, conforme já divulgado aqui no nosso portal. O consórcio de Libra definiu o adiamento na semana passada e surpreendeu o mercado, especula-se que a Petrobras quer resolver as pendências em relação ao afretamento de Búzios V com a Exmar e somente depois receber as propostas para Mero II.

A Exmar teve o melhor preço na licitação de Búzios V, com a taxa diária de US$ 635 mil, mas não conseguiu fechar o financiamento do projeto, o que levou a Petrobras a consultar a Modec, segunda colocada, afim de revalidação de sua proposta, no valor de US$ 815 mil/dia. A Sbm e a própria Modec são favoritas para Mero II, a fonte de preocupação é que a Modec já está construindo dois FPSO’s, um para Mero e outro para Sépia de 180 mil barris/dia para a Petrobras, com previsão de entrada em operação em 2021 e ganhando Búzios V teria dificuldades em concluir um terceiro contrato.

Sendo assim, a assinatura do segundo FPSO de Mero deve mesmo ficar entre o segundo e o terceiro trimestre de 2019. Antes desta licitação a Petrobras irá abrir as propostas das concorrências de afretamento dos novos FPSO’s de Parque das Baleias e para a revitalização do campo de Marlim, ambos na Bacia de Campos.

Marlim sem conteúdo nacional

No dia 25 de janeiro, acontece a entrega das propostas do primeiro processo a ser licitado, o de revitalização do Campo de Marlim, que prevê a substituição de sete unidades que operam hoje no campo, com capacidade ociosa, produzindo mais água do que óleo, pelas FPSO’s Marlim I com capacidade para produzir 80 mil barris/dia e comprimir 7 milhões de m³/d de gás, e o FPSO de Marlim II que produzirá 70 mil barris/dia e 4 milhões de m3/dia de gás.

As duas unidades ficarão afretadas por 25 anos e não terão conteúdo nacional por se tratar de áreas da rodada zero. O edital previa a entrada em operação das duas unidades em 2021 mas o Plano de Negócios da Petrobras 2019-2023 adiou as para 2022 e 2023.

Após Marlim, será a vez da Petrobras abrir as propostas de licitação para o FPSO do Parque das Conchas, no dia 30 de janeiro, a mesma terá capacidade de produzir 100 mil barris/dia de óleo e comprimir 5 milhões de m3/dia de gás. O contrato de afretamento será de 22 anos e meio e está programada para operar em 2022.