Paulo Guedes negocia Refinarias com petroleira Total em Davos

Reunião para conversar sobre venda de refinarias

Parceiros na exploração de Petróleo e em projetos de Energias Renováveis, Petrobras e Total podem estar discutindo a venda das refinarias brasileiras

O Fórum Econômico Mundial de Davos, na Suiça, parece mesmo que vai render bons frutos ao governo brasileiro. O Ministro da economia, Paulo Guedes, aproveitou o encontro para discutir negócios na área de energia.
Na quinta (24/1), o Ministro fechou a agenda em Davos com uma reunião com o CEO da francesa Total, Patrick Pouyanné.

A Total é vista pelo governo como um grande parceiro da Petrobras, a empresa já pagou US$ 1,95 bilhão à Petrobras, além de uma linha de crédito no valor de US$ 400 milhões, para ser usada nos investimentos nos campos da área de Iara da empresa.
A Total se tornou uma das grandes operadoras do Pré-sal brasileiro depois da aquisição de 45% do campo de Lapa, no pré-sal da Bacia de Santos.
Lapa é o quinto maior campo produtor de petróleo do pré-sal e, de acordo com dados da ANP, produziu em novembro do ano passado (dados mais recentes da agência)  30,3 mil barris por dia de petróleo.

Possíveis negócios

Desde novembro do ano passado, quando a Total comprou a rede mineira de postos de combustíveis Zema, que pertencia à família do governador de Minas Gerais, Romeu Zema (Partido Novo), ela é considerada por especialistas do mercado, como uma das potenciais compradoras das refinarias da Petrobras.

A negociação, na ordem R$ 500 milhões, decretou a entrada da empresa no mercado de distribuição de combustíveis no Brasil e a ideia da empresa francesa é refinar aqui dentro do país sua produção de petróleo e vende-la no mercado interno.

Vale lembrar que outro importante negócio entre a Petrobras e a Total foi, no ano passado, a criação de uma joint venture para prospectar projetos na área de energia solar e eólica onshore no Brasil.
O planejamento das empresas é ter, em cinco anos, uma carteira de projetos com capacidade instalada de 550 MW.

Veja aqui porque a Energia Eólica está sendo considerada uma indústria promissora para o Brasil !

Sobre Renato Oliveira

Engenheiro de Produção com pós-graduação em Fabricação e montagem de tubulações com 30 anos de experiência em inspeção/fabricacão/montagem de tubulações/testes/Planejamento e PCP e comissionamento na construção naval/offshore (conversão de cascos FPSO's e módulos de topsides) nos maiores estaleiros nacionais e 2 anos em estaleiro japonês (Kawasaki)