Para aliviar o bolso com as disparadas no preço da gasolina, etanol, diesel e GNV, consumidor recorre ao Kit na internet que promete carro movido a água com valor inicial inferior a R$ 200. Verdade ou Fake?

Flavia Marinho
por
-
20-11-2021 09:30:24
em Petróleo, Óleo e Gás
carro movido a água - kit - preço - gasolina - etanol - diesel - gnv - bosh - audi - motor - volkswagen - nissan - hidrogênio Kit carro movido a água por menos de R$ 200




Carro movido a água é possivel? “Tecnologia” que utiliza a eletricidade do alternador para extrair hidrogênio da água, promete reduzir mais de 80%, o consumo de combustível nos carros tradicionais

O melhor do Brasil são os brasileiros, com o preço da gasolina, etanol, diesel e GNV nas alturas, não faltam anúncios de acessórios que prometem reduzir o consumo de combustível de veículos. A novidade na internet é um aparato que promete a conversão de automóveis convencionais de motor a combustão, serem transformados em carros “movidos a água”, por meio de um produto conhecido como kit de hidrogênio.

Leia também

A engenhoca tecnológica oferecida nas redes sociais e sites de comércio eletrônico tem preço inicial inferior a R$ 200, mas pode passar de R$ 1.000, dependendo da marca e da configuração. Mas a promessa é a mesma: a “tecnologia” utiliza a eletricidade do alternador para extrair hidrogênio da água, que é armazenada em um tanquinho.

Carro movido a água é possível? Assista o vídeo abaixo e entenda o processo:

“Tecnologia” que utiliza a eletricidade do alternador para extrair hidrogênio da água, promete reduzir mais de 80%, o consumo de combustível nos carros tradicionais

Inflamável, o hidrogênio então é direcionado para o sistema de admissão de ar do motor, para gerar combustão interna em conjunto com gasolina, etanol ou diesel. Alguns sites prometem redução superior a 80% no consumo graças a esse kit. Afinal será será mesmo que funciona ou é mais uma fake news?

De acordo com UOL Carros, que conversou com Everton Lopes, mentor em energia a combustão da SAE Brasil. O engenheiro, informou que adquirir os tais kits de hidrogênio equivale a jogar dinheiro fora, pois a quantidade de gás gerada é insuficiente para causar mudança significativa no consumo do motor.

carro movido a água - Reprodução - Reprodução
Esquema demonstra tecnologia para retirar hidrogênio da água usando eletricidade do próprio automóvel / Imagem UOL carros

Alto custo para se produzir quantidade suficiente de hidrogênio a partir da água, ainda é um grande obstáculo para as grandes montadoras globais

Lopes explica que “A conta não fecha. A eletricidade necessária para extrair o hidrogênio da água com esses kits é maior do que a energia que o gás resultante é capaz de gerar no motor”.

Outro fator importante, segundo o engenheiro, as diferentes variantes do acessório não são homologadas pelas montadoras e sua instalação traz risco de danos ao propulsor e outros periféricos, como a própria bateria do veículo – sem contar a provável perda da garantia de fábrica.

“Por conta das leis cada vez mais exigentes quanto às emissões de poluentes, as montadoras investem bilhões de dólares para tornar os veículos mais eficientes em apenas alguns pontos percentuais. É para você desconfiar de uma tecnologia relativamente simples e acessível que traz a promessa de redução superior a 80% no consumo”.

Lopes pontua que, “se a conta fechasse”, carros abastecidos com água para gerar hidrogênio e movimentar as respectivas rodas já seriam uma realidade nas concessionárias. Contudo, o alto custo para se produzir quantidade suficiente de hidrogênio a partir desse líquido, em um processo conhecido como hidrólise, ainda é um importante obstáculo.

Hidrogênio: o combustível do futuro! Multinacionais Audi,Nissan, Volkswagen, Bosch e Porsche têm investido nessa tecnologia.

“Sem dúvida, o hidrogênio e suas diferentes aplicações terão um papel importante na mobilidade. Países como a Alemanha têm direcionado muito dinheiro para desenvolver e aprimorar a tecnologia de uso do gás como forma de reduzir e, futuramente, cortar a dependência dos combustíveis fósseis. Já existem há um bom tempo centenas de estudos e patentes nesse sentido, mas ainda há muito o que ser desenvolvido e aprimorado”.

Bosch, Nissan e Volkswagen apostam na tecnologia que obtém o hidrogênio a partir do etanol; o combustível vem para revolucionar a indústria de automóveis no mundo!

A gigante multinacional Bosch é uma empresa que acredita na eletrificação dos carros com o uso do etanol. Isso será possível graças ao desenvolvimento da célula de combustível à base de etanol, que também está sendo desenvolvida pela Nissan e Volkswagen. Com essa tecnologia, uma reação química que acontece dentro do motor do veículo retira o hidrogênio do etanol e gera a eletricidade, capaz de movimentá-lo com autonomia e sem gerar emissões poluentes.

“Essa é uma grande oportunidade que o Brasil e a indústria do etanol têm para gerar energia com célula de hidrogênio, tanto para estacionários, como para a mobilidade urbana. Até 2050, sabemos que teremos uma mobilidade livre de dióxido de carbono (CO2) e o Brasil fez a decisão certa em prestigiar o etanol, pois é um biocombustível que também impulsiona a economia local e gera empregos para o país”, disse o presidente da Bosch na América Latina, Besaliel Botelho. Leia a matéria completa aqui.

Bosch traz fabricação dos EUA para o Brasil e oferece muitas vagas de ensino médio, superior e estágio em suas fábricas de SP, Curitiba e mais regiões brasileiras

Coincidência ou não, após a Ford, Chevrolet, Honda e Audi retirarem ou diminuírem produção de veículos no país, a multinacional Bosch trouxe fabricação dos EUA para o Brasil e disponibiliza muitas vagas de emprego de ensino médio e superior, além de vagas de estágio. As oportunidades são para atender fábricas de São Paulo, Curitiba e mais regiões brasileiras.

Benefícios: Bosch oferece aos funcionários assistência médica e odontológica; refeitório no local; plano de previdência privada; reembolso medicamentos; seguro de vida; remuneração variável; cesta de natal; fretado ou VT.

Inscrição: Os interessados em concorrer às vagas de emprego, devem cadastrar o currículo no site da empresa neste link. Boa sorte! Lembrando que o Click Petróleo e Gás não é responsável pelo processo seletivo. As oportunidades abertas pela Bosch podem ser preenchidas a qualquer momento.

Sites Parceiros

Publicidade




Tags:
Flavia Marinho
Engenheira de Produção pós graduada em Engenharia Elétrica e Automação. Experiente na indústria de construção naval onshore e offshore. Entre em contato para sugestão de pauta, divulgação de vagas de emprego ou proposta de publicidade em nosso portal.