P7, P12, P15 e P33 devem ser postas a venda pela Petrobras

P7, P12, P15 e P33 devem ser postas a venda pela Petrobras

fevereiro 22, 2019 Off Por Renato Oliveira

Plataformas ociosas da Petrobras estão entre os oito projetos de descomissionamentos que deverão ser realizados até 2021

A Petrobras continua colocando seu plano de descomissionamento em prática, as plataformas P7, P12, P15 e P33 estão tendo a sua reutilização analisadas e deverão ser descomissionadas pela empresa.
Segundo Eduardo Zacaron, gerente da área da estatal, a tendência é as quatro unidades irem à leilão logo depois disso. As plataformas fazem parte do lote de oito projetos de descomissionamento da empresa em fase detalhada de detalhamento.

Além destas quatro unidades, a Petrobras pretende descomissionar os FPSOs afretados Cidade de Rio das Ostras, Cidade do Rio de Janeiro e Piranema e das três plataformas fixas do campo de Cação (PCA-1, 2 e 3), esta últimas compõem um só processo.
Em 2021, a Petrobras já planeja estar concluída todas as remoções pertinentes a estas plataformas.

Onde operavam as plataformas

A P17 operava nos campos de Bicudo e Enchova e foi construída em 1977, a P12 operam nos campos de Badejo, Linguado e Trilha, a P15 opera em Marimba e Piraúna e todas elas eram semissubmersíveis e foram construídas em 1983.
Em relação a P33, ela é um FPSO, está instalado no campo de Marlim e foi construída em 1978.

O gerente da Petrobras declarou ainda que como a maior parte dos equipamentos á serem descomissionados são flutuantes, o maior lote de serviços á serem executados é o de abandono dos poços e limpeza dos dutos submarinos, mas reforçou que os equipamentos devem ser deixados enterrados no fundo do mar.
Em relação as plataformas fixas, uma resolução do Ibama e da Marinha podem transformar as jaquetas em recifes artificiais ou em plantas eólicas.

O modelo contratual conhecido como EPRD (Engenharia, Preparação, Remoção e Descarte) deve ser usado pela Petrobras nos casos em que for necessário remoção total ou parcial das estruturas.
Zacarou destacou ainda que os descomissionamentos serão realizados de acordo com os recursos disponíveis, e disse que no Golfo do México existem Heavy-lifts com capacidade de içar 25 mil toneladas e aqui pode ser que precisaremos cortar alguma estrutura.

Por falar em desinvestimentos, a estatal brasileira enfrenta resistência para realizar desinvestimentos em campos maduros ! Leia mais aqui !