Mercado de Manutenção em alta

UMS sendo contratadas
 

Mercado de UMS (Unidades de Manutenção e Segurança) cresce mediante a novas licitações da Petrobras e demanda de petroleiras estrangeiras

Depois da passar um bom tempo, com um número reduzido de UMS sob contrato no país e há bem pouco tempo atrás sem perspectivas de novos contratos, o setor de Manutenção, volta a ficar otimista com as últimas contratações de flotel, tanto da Petrobras, quanto das petroleiras estrangeiras.
Mesmo com sinais tímidos, o mercado já dá mostras de recuperação e aguarda com ansiedade o segundo semestre, que é quando a Petrobras volta ao mercado para afretar mais duas unidades.

A Petrobras é a maior responsável por essa onda de otimismo, vale lembrar que a Petrobras já tem no mercado duas licitações em fase de fechamento para contratar três UMSs.
As unidades seriam: a Safe Euros, da Prosafe, e a OOS Tiradentes, da OOS International e entrariam em operação a partir de setembro, trabalhando ao longo da costa pelo prazo de três anos.

A licitação foi realizada através do portal Petronect e as taxas diárias giraram em torno de US$ 73,16 mil (Safe Euros) e US$ 79,63 mil (OOS Tiradentes).
Além deste contrato de longo prazo a Petrobras negocia, por 90 dias, uma terceira UMS de apoio ao FPSO P50, que opera no campo de Albacora Leste, na Bacia de Campos, que deverá ser a UMS Olympia, da GranIHC, no valor de US$ 47 mil.

Em relação as duas unidades que a Petrobras estuda afretar no segundo semestre, elas devem ser de menor porte, aproximadamente para acomodar entre 250 e 300 pessoas e entrariam em operação apenas em 2020.

Demanda das petroleiras privadas

As companhias estrangeiras que atuam há mais tempo no mercado demanda este tipo de equipamento por seus ativos já demandarem um volume maior de serviços de manutenção.
A Shell já contratou duas UMSs da Hornbeck Offshore para atuar no Brasil, uma de capacidade de 75 pessoas dando apoio ao FPSO P67 da Petrobras e a outra para dar apoio ao FPSO Fluminense.

A Equinor acertou a contratação da UMS Olympia para o campo de Peregrino para dar apoio a implantação de sua fase 2 e a Modec recentemente contratou a UMS Safe Concordia, de propriedade da Prosafe, a unidade realizou uma campanha de manutenção no FPSO Cidade de Niterói e vem dando apoio ao FPSO Cidade de Angra dos Reis.
A Modec e a SBM aliás, são as maiores demandadoras, por serem as maiores operadoras de FPSOs do Brasil, juntas respondem por 18 unidades (17 FPSOs e um FSO).

Nos anos de 2014 e 2015, mais de 10 floteis chegaram a operar ao mesmo tempo na costa brasileira, mas hoje em dia só seis UMSs estão no Brasil, sendo três com a Petrobras, a Tiradentes, com contrato até agosto, o Prosafe Notos, sob contrato até 2020, e a Posh Xanadu, com contrato de curto prazo até agosto.

Estas licitações foram feitas pelo sistema de leilão reverso da Petrobras ! Quer saber mais ? Acesse aqui !


Baixem também o aplicativo  Empregos e Noticiais CPG para Android na Playstore clicando aqui. Nele postamos informações e oportunidades exclusivas todos os dias.

Gostaria de compartilhar uma foto conosco da sua área de trabalho, vagas de empregos ( com as fontes), sugestões de pautas ou alguma outra informação importante do ramo de energia e empregabilidade? Entre em contato com a gente no Messenger aqui.

Sobre Renato Oliveira

Engenheiro de Produção com pós-graduação em Fabricação e montagem de tubulações com 30 anos de experiência em inspeção/fabricacão/montagem de tubulações/testes/Planejamento e PCP e comissionamento na construção naval/offshore (conversão de cascos FPSO's e módulos de topsides) nos maiores estaleiros nacionais e 2 anos em estaleiro japonês (Kawasaki) inspecionando e acompanhando técnicas de fabricação e montagem de estruturas/tubulações/outfittings(acabamento avançado) para casco de Drillships