Fila com muitos trabalhadores do Comperj para demissões em massa se formou hoje no empreendimento

Paulo Nogueira
por
-
16-06-2020 15:30:58
em Refinaria e Termoelétrica
Comperj demissão Kerui Metodo

Com uma série de problemas e futuro duvidoso devido ao Covid-19, apenas em outubro que alguns operários serão readmitidos no Comperj se tudo ocorrer bem

Nesta terça-feira (16) no Comperj, muitos trabalhadores foram surpreendidos ao chegar no empreendimento com o anúncio de demissão em massa. Nos vídeos e imagens repassadas ao CPG, a fila se estende a dezenas, talvez até mais de 100 colaboradores a serem desligados ao mesmo tempo.

Quando os problemas começaram no Comperj

Comperj-fila-com-trabalhadores-sendo-demitidos-no-dia-16-de-junho-de-2020.
Comperj, fila com trabalhadores sendo demitidos no dia 16 de junho de 2020.

Inicialmente o Comperj estava sendo construído para ser uma refinaria em parceria entre a Petrobras e a CNPC, mas os chineses acabaram decidindo que o projeto não seria economicamente viável, abortando o que seria sua entrada no mercado de refino do Brasil. Logo a Petrobras também anunciou desistiria da refinaria, mantendo apenas a UPGN para tratar o gás do pré-sal. Não há ainda uma destinação definitiva do que será do empreendimento, mas tudo indica que pode se transformar em uma termoelétrica.

As obras do Comperj já foram paralisadas por 2 vezes. A primeira vez em 2015 devidos a problemas de corrupção no empreendimento, mais de 800 trabalhadores foram demitidos. Já nesta segunda vez, o Covid-19 acabou acentuando os problemas já existentes no projeto. Exemplo: Atraso de pagamento da Kerui Metodo, resultando em retenção de equipamentos no Porto do RJ.

Muito especialistas dizem que o projeto não se recuperá mais, talvez até mesmo ele seja extinto de uma vez por todas, apesar de ser uma hipotese remota. O pré-sal precisa deste projeto para escoar pelo menos a produção de gás através do gasoduto Rota 3, que já está com o trecho marítimo e terrestre bem avançado.

Tags:
Paulo Nogueira
Com formação técnica, atuei no mercado de óleo e gás offshore por alguns anos. Hoje, eu e minha equipe nos dedicamos a levar informações do setor de energia brasileiro e do mundo, sempre com fontes de credibilidade e atualizadas.