Empresa norueguesa usará restos de peixe como combustível de navios

companhia de cruzeiros usará resto de peixe como combustível
 

Hurtigruten vai usar resíduos do setor pesqueiro combinados a outros resíduos orgânicos para impulsionar seus navios de cruzeiro

A empresa de navegação norueguesa Hurtigruten, anunciou nesta segunda feira (26/11), que vai usar resíduos do setor pesqueiro combinados a outros resíduos orgânicos para criar um biogás liquefeito para substituir o óleo combustível em seus navios de cruzeiro que operam no Ártico e Antártida. A medida vai contribuir para melhorar a imagem da empresa como grande poluidora do meio ambiente, já que um navio queimando óleo pesado, por ser mais barato, mas muito mais poluente, polui o equivalente a um milhão de carros, segundo a organização ecológica alemã Nabu.

“O que os outros consideram como problema, nós vemos como um recurso e uma solução”, declarou Daniel Skjeldam, presidente-executivo da Hurtigruten e complementou ainda “Ao usar o biogás para acionar seus navios, a Hurtigruten se converterá na primeira companhia do setor a propelir seus navios com carburantes que não são combustíveis fósseis”.

A Hurtigruten possui uma frota de 17 embarcações e deseja equipar pelo menos 6 deles com sistemas de propulsão movidos a biogás e por motores elétricos associados a motores com GNL (gás natural liquefeito), o mais limpo dos combustíveis fósseis. A expectativa é que o primeiro deles, o MS Roald Amundsen, que está em construção no estaleiro Kleven, no oeste da Noruega, faça sua primeira viagem em maio de 2019.

Na Noruega os ônibus já funcionam com biogás já que seus setores pesqueiro e florestal são bastante desenvolvidos e geram grandes volumes de resíduos orgânicos. A Hurtigruten planeja em 2050 ter um balanço zero de emissões de carbono e para tal já encomendou 3 navios híbridos, aqueles que são equipados com motores elétricos e diesel, os quais segundo a empresa, serão os primeiros navios do planeta capazes de funcionar com emissões zero de poluentes por dados períodos.

E por falar em meio ambiente veja aqui como estão os investimentos das grandes empresas em energia renovável.

Sobre Renato Oliveira

Engenheiro de Produção com pós-graduação em Fabricação e montagem de tubulações com 30 anos de experiência em inspeção/fabricacão/montagem de tubulações/testes/Planejamento e PCP e comissionamento na construção naval/offshore (conversão de cascos FPSO's e módulos de topsides) nos maiores estaleiros nacionais e 2 anos em estaleiro japonês (Kawasaki) inspecionando e acompanhando técnicas de fabricação e montagem de estruturas/tubulações/outfittings(acabamento avançado) para casco de Drillships