Ceará será palco de projeto para geração de combustível de aviação por fontes renováveis

Ceará será palco de projeto para geração de combustível de aviação por fontes renováveis

O projeto piloto para obter combustível de aviação por fontes renováveis deverá ser realizado ao longo dos próximos três anos no Ceará

O estado do Ceará é reconhecido nacionalmente por seu potencial estratégico para geração de energia renovável. Destaque em projetos de energia solar, parques eólicos, biogás, agora chegou a vez de ser palco de mais uma inovação tecnológica relacionada à combustíveis renováveis: uma planta piloto para produção de bioquerosene de aviação.

Você também pode conferir

O projeto ainda está nos estágios iniciais de pesquisa e deverá ser desenvolvido até 2023. Muito embora, o presidente da Companhia de Gás do Ceará (Cegás), Hugo Figueiredo, está otimista e afirma que no período de um ano já pode ser possível chegar a um resultado satisfatório da fórmula final do biocombustível.

As perspectivas da planta piloto é que toda a cadeia de produção do biocombustível seja utilizando matéria-prima de fontes renováveis.

De acordo com o secretário executivo de comércio, serviço e inovação da Secretaria do Desenvolvimento Econômico e Trabalho do Ceará (Sedet), Julio Cavalcante, o biocombustível de aviação seria produzido a partir do gás hidrogênio, que pode ser obtido através do tratamento do biogás. A Cegás deverá ser a principal fornecedora da matéria-prima.

“Nesse projeto, nós temos interesse de fornecer o biogás e no usuário dessa refinaria. Os clientes da Cegás podem se tornar usuários dela. No futuro, pode ser bom, porque além de injetar na nossa rede de distribuição o gás convencional e o gás natural, que nós já fazemos, podemos injetar também essa mistura de hidrogênio”, afirma Figueiredo.

Instituições Parceiras no Projeto

O presidente da Cegás ainda destacou que a iniciativa é do governo da Alemanha em parceria com a concessionária do Aeroporto de Fortaleza (Fraport) e o Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC).

“A Fraport vai ceder uma pequena área do próprio aeroporto para se instalado essa usina, que, dando certo, poderá ser expandida para outros aeroportos”, revelou Figueiredo.

Um passo simples para se trabalhar embarcado mas poucos conhecem...

Um dos mercados mais almejados para profissionais que desejam trabalhar no mar é o offshore, principalmente em navios de cruzeiro, embarcações de apoio e marcantes. As escalas de trabalho são diferenciadas, podendo-se trabalhar apenas 6 meses e folgando mais 6. Assista o vídeo revelador que têm ajudado muitas pessoas no Brasil a ingressar neste mercado aqui.
Kelly Angelim

Sobre Kelly Angelim

Engenheira de Petróleo especialista em Eficiência Energética e pós-graduada em Engenharia Civil; Possui experiência em atividades na indústria petrolífera onshore.