Cade aprova aquisição de 14 projetos de energia eólica no Nordeste pela Votorantim Energia e a canadense CPPIB


Cade aprova aquisição de 14 projetos de energia eólica no Nordeste pela Votorantim Energia e a canadense CPPIB

A Votorantim e a CPPIB receberam autorização do Cade para aquisição de projetos de energia eólica no Nordeste da Casa dos Ventos

O acordo entre a empresa de fontes renováveis Casa dos Ventos e uma joint venture formada entre a Votorantim Energia e a administradora de fundos de pensão canadense CPP Investments foi aprovado pelo Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade). A informação foi publicada no Diário Oficial da União na última segunda-feira (16) e o negócio permitirá o desenvolvimento de mais energia eólica no Nordeste, levando avanço e sustentabilidade para a região.

Veja também

A transação envolve a venda de 14 projetos eólicos no Nordeste do Brasil pela Casa dos Ventos Energias Renováveis, totalizando a comercialização de 419 MW de projetos em desenvolvimento e ainda não operacionais nos estados de Pernambuco e Piauí.

A Votorantim e a empresa canadense destacaram o negócio como “uma oportunidade para desenvolvimento de novos projetos no mercado de energia, ampliando sua atuação no segmento de matriz eólica na região Nordeste do país, de modo a agregar valor e sinergia aos seus negócios”.

De acordo com parecer do Cade, atualmente, a joint venture entre Votorantim Energia e a CPPIB (Canada Pension Plan Investment Board) detém ativos de energia eólica no Brasil com capacidade de 563,7 megawatts.

A empresa brasileira Ômega vai instalar novo parque de energia eólica no Nordeste e deverá gerar 700 empregos

Não é de hoje que o segmento eólico nordestino recebe muitos investimentos. O diretor da empresa de Ômega Energia, Geraldo Ney, participou de uma reunião com o governador do estado do Piauí, Wellington Dias, para discutir estudos de viabilidade ambiental de um empreendimento de geração de energia eólica na região do município de Ilha Grande, no litoral do estado. Leia a matéria completa aqui.

Um passo simples para se trabalhar embarcado mas poucos conhecem...

Um dos mercados mais almejados para profissionais que desejam trabalhar no mar é o offshore, principalmente em navios de cruzeiro, embarcações de apoio e marcantes. As escalas de trabalho são diferenciadas, podendo-se trabalhar apenas 6 meses e folgando mais 6. Assista o vídeo revelador que têm ajudado muitas pessoas no Brasil a ingressar neste mercado aqui.

Kelly Angelim

Sobre Kelly Angelim

Engenheira de Petróleo, especialista em Eficiência Energética e mestre em Engenharia Civil. Experiente na indústria petrolífera onshore; Entre em contato para sugestão de pauta, divulgação de vagas de emprego ou proposta de publicidade em nosso portal. Não recebemos currículos