Brasil é o maior fornecedor global de nióbio, um mineral encontrado em grande escala em reservas indígenas na Amazônia

Flavia Marinho
por
-
21-09-2020 15:28:11
em Economia, Negócios e Política
NIÓBIO - AMAZÔNIA - INDÍGENAS - AMAZONAS Brasil o maior fornecedor global de nióbio, um mineral encontrado em grande escala em reservas indígenas na Amazônia

É em territórios indígenas na Amazônia que se encontra grande diversidade mineral, inclusive os mais preciosos como o nióbio, ouro, diamante, tantalita e a cassiterita

É no município de São Gabriel da Cachoeira, no Amazonas que se encontra umas das maiores reservas de nióbio no mundo, um mineral com grande diversidade de aplicações.. Na floresta Amazônia, o território fica entre a fronteira do Brasil com a Venezuela e a Colômbia. Nióbio em combate ao Coronavírus: pesquisadores brasileiros da UFMG afirmam que o metal desativa o vírus

Leia também

Ainda que o total de minério estimado na reserva seja em torno de 2,9 bilhões de toneladas de nióbio, a área não pode ser explorada devido estar localizada em território indígena e dentro das áreas de proteção ambiental Parque Nacional do Pico da Neblina e da Reserva Biológica Estadual do Morro dos Seis Lagos

Além da Amazônia, outra grande reserva de nióbio em operação do planeta, fica na cidade de Araxá, na região do Triângulo Mineiro e Alto Paranaíba. Só em Araxá, as reservas são estimadas em mais de 800 milhões de toneladas de minério, volume suficiente para garantir ainda mais de 100 anos de produção, mantida a atual demanda. Mas se forem considerados os depósitos minerários em rochas subterrâneas, a capacidade de exploração é estimada em mais de 400 anos.

Atualmente, o nióbio que é produzido em Minas Gerais pela CBMM, é exportado para mais de 50 países, em maior potencial para atender empresas siderúrgicas.

Exploração de minerais preciosos em áreas indígenas

Segundo o gerente de Geologia e Recursos Minerais do CPRM-AM, Marcelo Almeida, até mesmo a realização de pesquisas em territórios indígenas precisam ser autorizadas. Ele relata que os próprios indígenas garimpam as reservas no Amazonas, apesar de a prática ser considerada ilegal.

É na floresta Amazônia em territórios indígenas que se encontram os minérios mais preciosos, como o ouro e diamante localizado no Oeste de Roraima; no Alto Rio Negro onde se concentram o ouro e o tantalita; no Sul do Amazonas, no igarapé Preto existe a cassiterita. “Eventualmente a área da reserva localizada no igarapé Preto é retomada por garimpeiros.

Para que a exploração de minérios seja legalizada se faz necessário emitir relatórios de impacto ambiental e obter licenças ambientais e de pesquisa, entre outros documentos; além dos pagamento dos tributos.

Almeida defende a legalização da extração mineral em terras indígenas, uma vez que a instituição de empresas organizadas pode ser a saída contra a proliferação do garimpo ilegal. “A partir do momento em que o índio é aculturado e precisa utilizar recursos financeiros para custear suas despesas

Para ele, “é melhor ter uma mineração que seja controlada, que terá geração de empregos e fará recolhimento de impostos. Além de ser cobrada por danos ambientais que forem causados”.

Uso do nióbio

O metal é  utilizado em maior escala na produção de aços especiais e superligas. O nióbio tem a função de “refinar”. Bastam apenas 400 gramas por tonelada para gerar aços mais leves e resistentes.

O nióbio é vendido na forma da liga ferronióbio (com cerca de dois terços de teor de nióbio e um terço de ferro) e empregado em automóveis, turbinas de avião, gasodutos, navios, aparelhos de ressonância magnética, aceleradores de partículas, lentes e até piercings e bijuterias.

Tags:
Flavia Marinho
Engenheira de Produção pós graduada em Engenharia Elétrica e Automação. Experiente na indústria de construção naval onshore e offshore. Entre em contato para sugestão de pauta, divulgação de vagas de emprego ou proposta de publicidade em nosso portal.
fwefwefwefwefwe