Início Baixa na importação de fertilizantes poderá causar mineração exagerada em terras indígenas da Amazônia

Baixa na importação de fertilizantes poderá causar mineração exagerada em terras indígenas da Amazônia

9 de março de 2022 às 01:13
Compartilhe
Siga-nos no Google News
Com a baixa importação de fertilizantes em razão do conflito entre a Ucrânia e a Rússia, o presidente Jair Bolsonaro está buscando novas alternativas de mineração de potássio na Amazônia, inclusive em terras indígenas
Devido aos conflitos entre Rússia e Ucrânia, o garimpo ilegal poderá aumentar nas terras indígenas, principalmente com as dificuldades na importação de componentes da mineração. Fonte: REUTERS/Vasily Fedosenko

Com a baixa importação de fertilizantes em razão do conflito entre a Ucrânia e a Rússia, o presidente Jair Bolsonaro está buscando novas alternativas de mineração de potássio na Amazônia, inclusive em terras indígenas

Os conflitos entre a Ucrânia e a Rússia trouxeram um grande déficit de importação de fertilizantes ao mercado brasileiro e uma série de discussões sobre as reservas minerais da Amazônia. Assim, durante a última quarta-feira, (02/03), o presidente Jair Bolsonaro se posicionou a favor de um Projeto de Lei que permita a mineração de potássio em áreas da região, inclusive em terras indígenas, sem levar em consideração os impactos dessas atividades.

Leia também:

Presidente Jair Bolsonaro utiliza suas redes sociais para expor sua opinião acerca desse tema. Fonte: Twitter

Brasil sofre com déficit de fertilizantes em razão da baixa importação do produto, causada pelos conflitos entre Ucrânia e Rússia 

As últimas semanas vêm sendo bastante tensas para o mercado global, em razão dos conflitos constantes e diretos entre a Ucrânia e a Rússia. Assim, apesar da guerra não ter causado influências diretas sobre o território brasileiro, o mercado nacional de fertilizantes vem sofrendo bastante com um déficit na importação do produto. Isso acontece pois a maior parte desses granéis que chegavam ao Brasil partiam da Rússia, que agora mantém as suas exportações suspensas por tempo indeterminado. 

Trabalhe no Setor Eólico do Brasil

Com isso, uma discussão sobre a mineração de potássio para o uso em fertilizantes no Brasil foi iniciada e o presidente Jair Bolsonaro afirmou que “Com a guerra Rússia/Ucrânia, hoje corremos o risco da falta de potássio ou aumento do seu preço. Nossa segurança alimentar e o agronegócio (Economia) exigem de nós, Executivo e Legislativo, medidas que nos permitam a não dependência externa de algo que temos em abundância”. O presidente se mantém altamente favorável à medidas para a liberação das atividades de mineração em locais não antes permitidos, como por exemplo as terras indígenas na Amazônia.

Assim, o presidente clama aos parlamentares pela aprovação de um projeto de lei que permita tais atividades, mesmo com a existência e o bem estar dos povos indígenas em jogo nesta questão, em razão da baixa importação do produto. Devido a esses comentários feitos no seu Twitter, o presidente vem sendo bastante criticado, tanto por grupos ambientalistas quanto pelos próprios povos que vivem nessas terras indígenas e estão ameaçados em razão do projeto que o presidente pretende levar adiante. 

Apesar da grande abundância de potássio nos territórios da Amazônia, prática de mineração na região pode trazer sérios problemas para os povos indígenas

A grande reserva de potássio que a Amazônia possui é inegável e o potencial de produção de potássio na Bacia Amazônica é semelhante ao da região dos Urais, na Rússia, e Saskatchewan, no Canadá, de acordo com um levantamento geológico do Serviço Geológico do Brasil – CPRM. No entanto, o garimpo e a mineração dessa substância ainda são questões bastante discutidas no cenário nacional, uma vez que a ilegalidade nessas atividades coloca em risco a vida de milhares de indígenas que vivem no entorno dessa região e estão sendo ameaçados. 

Além disso, esta não é a primeira vez que o presidente se mantém favorável à mineração em terras indígenas, uma vez que o projeto de lei que apoia o garimpo e a mineração artesanal na Amazônia foi apoiado pelo mesmo. Com os comentários do presidente, mineradoras representadas pelo Instituto Brasileiro de Mineração (Ibram) querem que o governo crie um grupo de trabalho envolvendo a Potássio do Brasil para acelerar seu projeto de potássio em Autazes, no Amazonas.

Com isso, a existência desses povos indígenas está cada vez mais ameaçada e, caso o cenário global continue caminhando nesse ritmo de conflitos, a região amazônica poderá sofrer com as atividades de mineração de potássio durante os próximos meses para a produção de fertilizantes, bem como o garimpo ilegal.

Relacionados
Mais recentes