Aprovado leilões das próximas rodadas do Pré Sal e do Pós Sal

Aprovado leilões das próximas rodadas do Pré Sal e do Pós Sal

dezembro 20, 2018 Off Por Renato Oliveira

Presidente Temer autoriza 6ª rodada de partilha do Pré sal e também a 16° rodada de licitações de blocos do Pós Sal

Na última segunda-feira (17/12), o presidente assinou, o que pode ter sido o seu último, ato em relação a leilões de reservas de petróleo nacionais. A realização da 6ª Rodada de Licitações de Partilha de Produção do Pré Sal, e também da 16ª rodada de blocos para exploração e produção de petróleo em bacias sedimentares brasileiras, camadas mais superficiais, chamadas de Pós sal.

O leilão da 6° rodada de partilha do Pré Sal terá algumas alterações, pois inclui dois novos blocos, Sudoeste de Sagitário e Norte de Brava e redimensiona outros três: Aram, Cruzeiro do Sul e Bumerangue. Sendo assim, teremos a oferta de um total de cinco blocos, a previsão é que o leilão ocorra em novembro de 2019.

Na 16° rodada de blocos do Pós Sal serão ofertados 42 blocos distribuídos nas bacias de Pernambuco-Paraíba, de Jacuípe, de Camamu-Almada, de Campos e de Santos. Estas autorizações foram assinadas pelo Presidente Michel Temmer em uma cerimônia em que foram assinados também três contratos da 4ª rodada e quatro contratos da 5ª rodada do Pré Sal.

Petrobras em outro patamar

Segundo declarou o Presidente, durante a cerimônia, não foi apenas uma formalidade de assinaturas de contrato, foi a “celebração de uma jornada bem-sucedida” que, segundo ele, tirou a Petrobras de uma situação de desconfiança do mercado para readquirir “significação no cenário nacional e internacional”. “São setores estratégicos para o país. Quando ouço que estamos ombreando com países do Oriente Médio [na produção de petróleo] eu vejo o quanto o Brasil cresceu”.

O também presente, diretor geral da Agência Nacional de Petróleo (ANP), Décio Oddone, afirmou que o Brasil passará a vivenciar “segundo ciclo de investimento”, tendo em vista a as perspectivas para 2030, quando o país, segundo previsões, estará produzindo 7,5 milhões de barris de petróleo por dia, com uma arrecadação estimada em R$ 400 bilhões.

O futuro presidente da Maior estatal brasileira já teve o processo de sua nomeação iniciado. Veja aqui !